Posts tagged ‘imposto de renda’

janeiro 3, 2017

Tabela do IR acumula defasagem de 83%

Defasagem aponta isenção para renda até 3.456 reais, em vez dos atuais 1.903 reais

O estudo mostra que a defasagem prejudica as camadas de renda mais baixa, que deveriam estar na faixa de isenção, mas acabam tendo que pagar o Imposto de Renda por falta das correções:

A defasagem se torna mais grave, porque os aumentos dos rendimentos tributáveis deslocam contribuintes que estariam isentos para a primeira faixa de tributação”

O levantamento do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional) levou em consideração a estimativa do Relatório Focus, pesquisa realizada pelo Banco Central (BC) junto ao mercado financeiro sobre indicadores econômicos, para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2016, de 6,36%. Pelas contas do Sindifisco, o ano passado registrou a maior defasagem anual dos últimos 12 anos.

read more »

abril 1, 2016

IAMSPE – Como incluir na Declaração do IRPF

Sebastião Amaro Viana Fº

O Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual – IAMSPE foi instituído pelo Decreto-Lei nº 257, de 29 de maio de 1970 e regulamentado pelo Decreto 52.474, de 25 de junho de 1970, no Governo de Abreu Sodré.

O artigo 2º do citado Decreto-Lei 257/70 estabelece que o IAMSPE tem por finalidade precípua prestar assistência médica e hospitalar, de elevado padrão, aos seus contribuintes e beneficiários.

Portanto, a atividade-fim do IAMSPE é a prestação de serviços médicos e de assistência médica, serviços esses colocados à disposição de seus contribuintes e beneficiários, mediante uma contribuição mensal, já previamente descontada nos holleriths de todos os seus filiados, servidores públicos do Estado de São Paulo.

read more »

fevereiro 8, 2016

Sem correção na tabela do IR, trabalhador vai pagar mais

Segundo Sindifisco Nacional, defasagem da tabela do IR é de 72%

A decisão do governo de não reajustar a tabela impacta contribuintes de todas as faixas salariais, com prejuízos ainda maiores para quem ganha menos. Esta é a avaliação do presidente do Conselho Regional de Contabilidade do Paraná (CRC -PR), Marcos Sebastião Rigoni de Mello:

Lamentavelmente, o governo usa a arrecadação, em vez de promover corte nos gastos públicos, sacrificando o povo e as empresas brasileiras. Essa decisão é negativa para os assalariados, que ganham menos e deixam de consumir. O comércio também vende menos, as indústrias não produzem e as empresas fecham, gerando um efeito cascata prejudicial para a economia do país”

read more »

janeiro 12, 2016

Defasagem na tabela do IR chega a 72,2%

PT defende reajuste da faixa de isenção dos atuais R$ 1.903 para R$ 3.390

Com o fechamento da inflação pelo IPCA em 10,67%, em 2015, a defasagem da tabela do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) alcançou 72,2% em 20 anos. O cálculo é o mais recente estudo do Sindifisco Nacional, que mede o aprofundamento do prejuízo do contribuinte com base no índice oficial de inflação. Segundo explicou o presidente da entidade, Cláudio Damasceno:

As classes assalariadas de menor renda estão sendo as maiores prejudicadas. Com a volta da inflação ao patamar dos dois dígitos, é mais um peso imenso sobre a sociedade. Por isso é que, segundo estudo recente, aproximadamente 3,7 milhões de pessoas que estavam na classe C foram rebaixadas de volta às classes D e E  (link aqui).

read more »

março 12, 2015

Nova tabela do IR

Longe do ideal, MP estabelece correção escalonada

O Governo cedeu à pressão dos Congressistas e publicou, na quarta-feira (11), no Diário Oficial da União, a Medida Provisória que prevê um reajuste escalonado da tabela do Imposto de Renda. A proposta, que vigorará em abril e só valerá para a declaração do IR de 2016, traz percentuais diferentes de correção para cada faixa de renda que giram em torno de 6,5% e 4,5%. No novo modelo, os contribuintes que ganham até R$ 1.903,98, pouco mais de dois salários mínimos, deverão ficar isentos. Hoje, o teto é de R$ 1.787.77. O próximo passo será a conversão da MP em lei pelo Congresso Nacional.

O Sindifisco Nacional considera que a correção foi tímida e está muito distante do ideal, apesar de amenizar a situação de um grupo de trabalhadores que recebe salário menores. Um estudo elaborado pelo Sindicato aponta que o reajuste deve ser de 64,28%. É somente a partir deste percentual que o contribuinte terá chance de ver suas contribuições sendo calculadas de forma justa, sem o peso da inflação somada nos últimos 20 anos. E como a decisão do Governo Federal só terá efeito em 2016, o contribuinte, que tem até o fim de abril para entregar sua declaração de imposto de renda, vai sofrer o impacto dos 4,5% aprovados ainda em 2014. Índice que sequer cobre a inflação registrada no ano […] Saiba mais

Leia também:

Ironias políticas e tributárias

IR: Defasagem na correção da tabela

Tabela do IR: Dilma veta reajuste de 6,5%

Tabela do IR: Sem reajuste, contribuinte pagará mais em 2015

Paga-se muito imposto no Brasil?

fevereiro 20, 2015

Ironias políticas e tributárias

tiao.viana.2015Sebastião Amaro Viana Filho

“Cobrança de um imposto sobre as grandes fortunas… isso só pode ser conversa pra boi dormir…”

A instituição do imposto sobre grandes fortunas, nos termos de lei complementar, prevista no artigo 153, inciso VII da Constituição Federal, está sendo novamente cogitada no Congresso Nacional no início da legislatura inaugurada neste começo do ano de 2015. Sobre essa matéria, diversos projetos de lei já tramitaram no Congresso Nacional desde 1989, mas foram arquivados sem que tenham sido apreciados e debatidos em plenário por razões diversas que parecem óbvias e, pelo que se tem visto a grande dificuldade parece estar restrita à definição do que sejam grandes fortunas, que deve ser o ponto central da discussão cujo debate pretende se implementar.

Parece ironia do Congresso Nacional que, em sua grande maioria, tem a pretensão de querer reabrir a discussão sobre um tributo complexo por sua natureza, fiscalização e controle, a começar pela definição do termo “grandes fortunas” para fins de tributação […] Continue lendo

fevereiro 20, 2015

IR: Defasagem na correção da tabela

José Moreira Magalhães*

No Brasil, a prevalecer o veto da Presidente sobre a correção da chamada “tabela do IR” de 6,5% para 4,5% no exercício de 2015, mais uma vez os assalariados não rentistas pagarão pelo aumento da carga fiscal do imposto.

A percepção acumulada de pequenas perdas anuais vai-se tornando cada vez mais relevante. Segundo cálculos dos Auditores Fiscais da Receita Federal, a defasagem acumulada entre a correção da tabela do IR e a inflação, no período 1996/2014, já monta a 64,28%.

Com isso, um imposto como o IR, cuja natureza deveria implicar em nítida progressividade (quem ganha mais paga mais), vem se tornando ano a ano mais regressivo, ou seja, a cada ano, assalariados com menores níveis de renda vão sendo chamados a contribuir […] Saiba mais

Entrevista com Wertson Brasil (diretor do Sindifisco MG):

.

* Auditor fiscal de tributos de Minas Gerais

.

Leia também:

Tabela do IR: Dilma veta reajuste de 6,5%

Tabela do IR: Sem reajuste, contribuinte pagará mais em 2015

Paga-se muito imposto no Brasil?

janeiro 20, 2015

Tabela do IR: Dilma veta reajuste de 6,5%

Justificativa é a de ‘prejuízo’ de R$ 7 bi aos cofres públicos

veto-tab-ir

(Veto) DOU de 20/01/2015

Texto final enviado à sansão presidencial (pág. 68), com 169 artigos

Emenda, dep. Mendonça Fº (pdf)

Med. Prov. 656/14 (original), com 55 artigos

Leia também:

Dilma pode vetar correção da tabela do IR

Dilma sanciona nova gratificação para juízes

Tabela do IR: Sem reajuste, contribuinte pagará mais em 2015

Paga-se muito imposto no Brasil?

dezembro 22, 2014

Dilma pode vetar correção da tabela do IR

Atualização defasada chega a 64%

É bastante provável que a presidenta Dilma Rousseff vete a MP 656, aprovada semana passada no Congresso, que reajusta em 6,5% a tabela do Imposto de Renda. De acordo com o primeiro-vice-líder do governo, senador Gim (PTB-DF), a inclusão do reajuste no texto da MP feita pelos parlamentares não estava vinculada a um compromisso da presidente em sancionar essa parte da matéria:

O veto é quase certo. Podemos até tentar reverter essa tendência, mas o Ministério da Fazenda vai orientar em sentido contrário, já que o momento é muito difícil”

Com o reajuste da tabela, amplia-se a faixa de isenção do imposto de R$ 1.787,77 para R$ 1.903,98. Em consequência, ampliam-se faixas de incidência de 7,5% a a 27,5%, levando a uma diminuição do imposto a pagar. Gim, ressaltou a necessidade do governo de reforçar o caixa e lembrou que o compromisso assumido pelo governo era de um reajuste de 4,5% […] Saiba mais

novembro 25, 2014

Tabela do IR: Sem reajuste, contribuinte pagará mais em 2015

Às vésperas do recesso parlamentar, governo ainda não acenou com reajuste

O contribuinte poderá pagar mais Imposto de Renda (IR) em 2015 caso a tabela progressiva não seja reajustada. A Medida Provisória que corrigia o valor das faixas em 4,5% no próximo ano caducou no fim de agosto e, apesar das promessas, o governo ainda não enviou ao Congresso um novo texto propondo a atualização. O temor é que a mordida do Fisco fique maior e chegue ao bolso de mais brasileiros.

O tempo hábil para a aprovação de uma nova MP ou projeto de lei ainda em 2014 é curto: os parlamentares entram em recesso daqui a menos de um mês, no dia 23 de dezembro. A falta de reajuste aumentaria ainda mais a defasagem da tabela em relação à inflação, um descompasso que cresce ano a ano.

De 1996 a 2013, a defasagem acumulada foi de 61,42%, segundo cálculos do Sindifisco Nacional. Uma discrepância que pode subir para 64,36% em 2014, caso a inflação feche o ano em 6,40%, como preveem os economistas consultados pelo Relatório Focus, do Banco Central […] Saiba mais

Leia também:

Tabela do IR: MP não é votada e perde validade

Tabela do IR: Defasagem tira R$ 35 bilhões dos trabalhadores

Tabela do IR acumula defasagem de 66%

agosto 30, 2014

Tabela do IR: MP não é votada e perde validade

unhappysmilyReajuste foi anunciado pela presidente Dilma no Dia do Trabalhador

O reajuste da tabela do Imposto de Renda (IR), prometido pelo governo para o ano que vem, depende agora da edição de uma nova medida provisória (MP) ou do envio ao Congresso de um projeto de lei com pedido de urgência constitucional para ser apreciado pela Câmara e pelo Senado antes do final deste ano. Isso porque perdeu a validade nesta sexta-feira (29), sem ser votada pelo Congresso, a MP 644/14, que previa reajuste de 4,5% na tabela do IR a partir de janeiro de 2015.

Outra alternativa para o reajuste da tabela do Imposto de Renda, de acordo com a Secretaria-Geral da Mesa da Câmara, é a apresentação de uma emenda por algum parlamentar reajustando a tabela do IR. A emenda só pode ser apresentada a uma medida provisória que tenha correlação com a questão de impostos […] Saiba mais

Leia também:

Tabela do IR: Defasagem tira R$ 35 bilhões dos trabalhadores

Tabela do IR acumula defasagem de 66%

Campanha para redução do Imposto de Renda

abril 6, 2014

A Nota Fiscal Paulista e o Imposto de Renda

Créditos devem ser declarados na ficha “Rendimentos Isentos e Não tributados”

Os consumidores que resgataram créditos ou ganharam prêmios no programa Nota Fiscal Paulista devem informar os valores na declaração de ajuste anual do Imposto de Renda, que precisa ser entregue ao Fisco até o dia 30 de abril. A recomendação vale, principalmente, para as quantias maiores, que impactaram a variação patrimonial do contribuinte no ano passado.

Os créditos resgatados em conta corrente ou utilizados para abatimento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) são isentos. Já os prêmios têm imposto retido na fonte, ou seja, os valores recebidos pelos consumidores já são líquidos e não sofrerão tributação extra.

Os créditos devem ser declarados na ficha “Rendimentos Isentos e Não-tributados”, enquanto os prêmios devem constar em “Rendimentos sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”. Ambos serão informados no campo “Outros” de cada ficha.

Para obter o informe de rendimentos da Nota Fiscal Paulista, o contribuinte deve acessar sua conta por meio de login e senha no site do programa. Na tela inicial, é necessário clicar em “Conta Corrente”, depois “Demonstrativo IR” e então selecionar “IR 2013/Ano Base 2012″ […] Saiba mais

Leia também:

Receita libera download do programa IRPF 2014

Impostos na Nota Fiscal não condiz com realidade tributária

Nota Fiscal Paulista: 28% com crédito zero a consumidor

março 18, 2014

Sindicato vence ação contra limite de gastos com educação

Sindicalizados poderão deduzir despesas com instrução, sem limite, na Declaração do IR

No dia 13 de fevereiro o Sindifisco Nacional obteve decisão favorável do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, o qual deu provimento à apelação do Sindicato, assegurando aos filiados o direito de deduzir da base de cálculo do IRPF (Imposto de Renda Pessoa Física) todas as despesas com instrução efetiva e comprovadamente incorridas.

EMENTA
1. O Órgão Especial desta Corte acolheu argüição para declarar a inconstitucionalidade da expressão até o limite anual individual de R$ 1.700,00 (um mil e setecentos reais), contida no art. 8º, II, alínea “b”, da Lei 9.250/95 […]
ACÓRDÃO
Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Egrégia Sexta Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, por unanimidade, dar provimento à apelação, nos termos do relatório e voto que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Leia a íntegra da Decisão

Leia também:

Tabela do IR: Defasagem tira R$ 35 bilhões dos trabalhadores

Campanha para redução do Imposto de Renda

TRF autoriza abatimento integral de gastos com educação no IR

março 8, 2014

Receita libera download do programa IRPF 2014

Certificação digital permite importar dados da fonte pagadora

O Fisco também iniciará este ano o sistema de declaração pré-preenchida para os contribuintes que possuem certificação digital. O arquivo com as informações relativas a rendimentos, deduções, bens e direitos e dívidas e ônus reais deve ser importado para a Declaração de Ajuste Anual. Mas será de inteira responsabilidade do contribuinte a verificação e eventual correção de todos os dados pré-preenchidos no documento.

Outra novidade está no programa gerador, que ganhou mais funcionalidades. As empresas ou planos de saúde poderão entregar arquivos eletrônicos para os contribuintes com as informações de rendimentos ou de despesas com saúde em vez de comprovante em papel. O contribuinte, então, poderá importar estes dados para os campos da sua declaração.

Neste ano, o valor permitido para deduções foi fixado em R$ 2.063,64 por dependente, R$ 3.230,46 para gastos com educação e R$ 1.078,08 com empregado doméstico. O download do programa 2014 esta disponível desde o dia 26/2 (baixe aqui) e o prazo para envio do documento ao Fisco começa no dia 6 de março e termina em 30 de abril […] Leia mais

 Leia também:

Campanha para redução do Imposto de Renda

Imposto de Renda no Brasil

Charge: Imposto de Renda

janeiro 14, 2014

Tabela do IR: Defasagem tira R$ 35 bilhões dos trabalhadores

Entre 1996 e 2013 perda acumulada chega a 60%

Os brasileiros pagam mais imposto, todos os anos, para a Receita Federal em razão da defasagem na tabela de alíquotas do Imposto de Renda. O cálculo é do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco). Essa perda para os contribuintes, que ajuda a engordar o caixa do governo, é provocada pelo descompasso entre a inflação e a atualização das faixas de contribuição.

Novos parâmetros – De acordo com Delmar Joel Eich, presidente do Sindifisco em Curitiba, a expectativa é sensibilizar o governo para mudar os parâmetros de correção a partir de 2015. Um projeto de lei [PL 6.094/2013] que tramita na Câmara dos Deputados prevê um reajuste na tabela de 5% mais a variação do rendimento mensal entre 2015 e 2024. A partir dessa data, os 5% seriam eliminados. Dessa forma conseguiríamos zerar as perdas provocadas pela distorção na tabela , diz Pinho.

Para compensar as eventuais perdas de arrecadação, o Sindifisco propõe que o governo passe a tributar os lucros e dividendos das empresas a partir de R$ 60 mil […] Leia mais

Leia também:

Campanha para redução do Imposto de Renda

PL 6094/13 reajusta tabela do IRPF

Campanha para alterar a tabela do IR

outubro 15, 2013

Campanha para redução do Imposto de Renda

Abaixo-assinado pretende arrecadar 1,5 milhão de assinaturas no país

Uma audiência para a “Campanha Imposto Justo” aconteceu nesta terça-feira (15) na Câmara Municipal de Santos, no litoral de São Paulo. Segundo o Sindicato dos Fiscais da Receita Federal, a cada ano trabalhado, três meses são para pagar impostos no Brasil. Elias Carneiro Junior, presidente regional do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal, diz que a reunião tem o objetivo de chamar a atenção da sociedade santista para o problema:

Queremos basicamente duas coisas, que a tabela do Imposto de Renda seja corrigida de acordo com a inflação anual, e que aeronaves e embarcações, que não pagam IPVA, passem a pagar

A campanha pretende também que impostos sobre aluguéis sejam deduzidos na declaração anual […] Leia mais

Leia também:

Tabela do IR acumula defasagem de 66%

Fim do limite para dedução de IR com educação

Assalariados pagam mais IR do que bancos