Superman na malha fina da Receita

A atividade de fiscalizar esta tão permeada à vida do cidadão, que até as HQ’s lembram do assunto. Um exemplo esta na edição nº 148 da revista Superman, de 1961

Episódio: “Superman deve um bilhão de dólares!”

“Mas nunca me cobraram impostos antes…”

A história começa com o Agente da IRS (Internal Revenue Service) Rubert Brand, fazendo uma descoberta surpreendente, que o Super-Homem nunca prestou contas com a Receita. Ele avalia que a cada ano Superman captura inúmeros criminosos ​​e recebe uma fortuna em recompensas!

Brand pula de um prédio para atrair a atenção do Superman. Quando Superman salva o auditor IRS, este diz ao Superman que ele precisa pagar seus impostos. Ao levá-lo de volta ao edifício do IRS, Brand calcula a dívida em 1 bilhão de dólares em impostos, a qual deve ser paga dentro das próximas 24 horas, caso contrário ele vai pedir ao FBI para prender o Superman.

Com o propósito de cumprir a lei, Superman, imediatamente, começa a tentar recolher o dinheiro que ele deve em impostos atrasados, uma tarefa que se torna mais difícil do que parece. Ele voa para o Congo Africano, onde ele recolhe uma grande quantidade de presas de elefante de um cemitério de animais na esperança de um lucro líquido de um milhão de dólares com a venda do marfim. No entanto, outro personagem, Bizarro, transforma as presas em barras de sabão sem valor.

Depois Superman vai para uma mina de carvão, tenta usar seus super poderes para comprimir carvão em diamantes. No entanto, o cometa que passou a Terra teve um efeito temporário sobre o carvão, o que torna impossível para o Superman executar o processo. Superman decide, então, obter a ajuda de seus amigos, recebendo um soro de crescimento do Professor Potter, Superman pede a ajuda de Aquaman em encontrar a maior ostra do mundo para que ele possa usar a fórmula de crescimento para torná-la a maior pérola  do planeta. Mas, essa tentativa também foi frustrada.

Então, o homem de aço sai para coletar uma série de itens valiosos de túmulos perdidos e sob o mar, recebendo a ajuda de Lori Lemaris para ajudar. Voltando ao seu esconderijo de objetos de valor, ele descobre que uma criatura estranha comeu tudo, jogando essa criatura para o espaço.

No espaço, Superman consegue um pedaço de Radium, mas se vê obrigado a entregar aos hospitais que estão em necessidade, devido a uma escassez desse elemento medicinal.

Sem outras opções, com o prazo esgotado, Superman preenche um cheque de um bilhão de dólares, mas o Fiscal recusa uma vez que é do First National Bank of Krypton. No entanto, no momento em que o chefe da Receita Federal entra na sala e diz ao Fiscal que Superman não deve os impostos, pois o Regulamento do Imposto de Renda afirma que um contribuinte pode deduzir $ 600,00 por dependente. Assim, conclui que que os dependentes do Superman é o mundo inteiro, desta forma, ele não tem renda tributável. Com problemas de Superman fiscais resolvidos, o Fiscal Brand e Superman apertam as mãos.

Supes_v_taxman

(Clique na imagem para ampliar)

Taxman_1_2

(Clique na imagem para ampliar)

Taxman_2

(Clique na imagem para ampliar)

Taxman_3

(Clique na imagem para ampliar)

Taxman_4

(Clique na imagem para ampliar)

Taxman_5

(Clique na imagem para ampliar)

Taxman_6

(Clique na imagem para ampliar)

Veja também:

Taxman*

O imposto cantado na música

A sexualidade e o fisco

2 Comentários to “Superman na malha fina da Receita”

  1. Teo, onde você descobre essas preciosidades?
    Cá entre nós, esse Chefe da Receita deu um jeitinho…
    Essa história foi inspirada na passagem evangélica narrada por São Mateus sobre o único milagre em causa própria praticado por Jesus Cristo, quando recebeu a cobrança da Didracma. É bem em cima disso. A diferença é que Jesus encontrou no mar a solução, enquanto o Superman até tentou esta alternativa, mas sem êxito, então só lhe restou contar com a simpatia do Chefe da Receita…
    Parabéns por trazer essa pérola das HQs.

  2. Valente, como dizia o portuga, uma coisa puxa a outra e a outra puxa a uma. São pesquisas, emails que recebo, e convivência com escritores fiscais que admiro, daí vão surgindo as sugestões, os desafios e as ideias. Tudo isso pra demonstrar pra nós mesmos que pertencemos à uma carreira essencial ao Estado e à sociedade.
    Quanto à postura da chefia, eu cito uma ditado do direito “universal”: “Dura lex sed latex” (a lei é dura mas estica…)
    Forte abraço e um 2014 com muitos novos artigos de sua autoria.

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: