Escravos modernos

jfrancisconewJoão Francisco Neto

Sempre que ouvimos falar em escravidão, a ideia que logo nos vem à mente é a compra e venda de pessoas, para depois serem enviadas a outro continente, onde então serão exploradas por seus novos “donos”. Legalmente, essa forma de escravidão está extinta desde o século 19, o que não quer dizer que não existam mais pessoas reduzidas a essa condição. Atualmente, a chamada “escravidão moderna” configura-se pelo trabalho forçado, em que as pessoas são obrigadas a exercer uma atividade contra a sua vontade, sob ameaça, ou mediante violência física ou psicológica, além de outras formas de intimidação. As situações são as mais variadas possíveis: são pessoas exploradas por empregadores inescrupulosos, que se aproveitam da situação de extrema pobreza; são imigrantes clandestinos que se veem forçados a aceitar “empregos” que são verdadeiras arapucas; são mulheres e meninas, vítimas de exploração sexual, ou que são obrigadas a um casamento para ser exploradas no serviço doméstico; são trabalhadores que se veem na contingência de prestar serviços para pagar dívidas que nunca serão saldadas; são crianças “recrutadas” por grupos políticos rebeldes ou paramilitares, para trabalhar como vigilantes (“olheiros”), mensageiros, etc.; são outras crianças, raptadas para alimentar o comércio da prostituição e da pornografia infantil – segundo o Unicef, existiriam cerca de 2 milhões de crianças submetidas a essas situações degradantes.

Isso tudo, para não falar de casos como os de trabalhadores confinados em áreas rurais geograficamente isoladas, ou em embarcações, onde ficam à mercê de exploradores. Nesse sentido, não é necessário ir muito longe: basta ver o que acontece em plena capital de São Paulo, com os imigrantes bolivianos que trabalham na indústria de confecção de roupas, sob condições de flagrante exploração, para dizer o mínimo. Com frequência, a imprensa traz relatos sobre grandes empresas multinacionais – algumas do ramo de refrigerantes, tênis e roupas esportivas – que lucram com negócios que se aproveitam do “baixo custo” do trabalho forçado, na maior parte das vezes, realizado em países asiáticos, embora essa prática exista até na União Europeia. De acordo com dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), há quase 21 milhões de pessoas no mundo submetidas a uma das formas da moderna escravidão. Ressalte-se que o Brasil não está isento dessa prática, porém várias organizações internacionais têm reconhecido os esforços das autoridades brasileiras para o combate ao trabalho escravo, como a publicação da chamada “Lista Suja” (cadastro de empregadores condenados por sujeitar pessoas à condição análoga de trabalho escravo).

Todavia, não vamos aqui pensar que apenas as pessoas acima estão sujeitas às modernas formas de escravidão; sob muitos aspectos, até no serviço público ainda vigoram resquícios da servidão. Por exemplo, há chefes que, do alto dos cargos em que se encastelam, passam a agir mais como feitores do que propriamente como gestores. Sua principal “técnica” de administração é a imposição do medo e da intimidação nos quadros sob seu comando. A partir dessa posição, o “administrador-feitor” atua como se fosse o dono daquele feudo (a “sua” unidade), o que, em grande parte, resulta, no mínimo, na prática do assédio moral, nas suas mais variadas formas. Infelizmente, no âmbito do funcionalismo público, situações dessa natureza são muito mais comuns do que se poderia imaginar. Por essas poucas linhas, vemos que, mesmo sem senzalas e sem grilhões, os “escravos modernos” estão aí, por toda parte. Para essas pessoas, igualdade, democracia e república são apenas palavras de conceitos indeterminados e vazios.

jfrancis@usp.br

* Agente Fiscal de Rendas, mestre e doutor em Direito Financeiro (Faculdade de Direito da USP)

ARTIGOS de JOÃO FRANCISCO NETO

NOTA: O BLOG do AFR é um foro de debates. Não tem opinião oficial ou oficiosa sobre qualquer tema em foco.
Artigos e comentários aqui publicados são de inteira responsabilidade de seus autores

4 Comentários to “Escravos modernos”

  1. Caro João, as carreiras do funcionalismo público no Brasil cujos funcionários detêm poder de polícia, e que não têm Lei Orgânica, são as que sofrem a escravidão a que você se refere.
    É o caso do Fisco Paulista: os colegas que ascendem a cargos de chefia, lá chegam por critérios do bolso do colete, por injunções políticas ou do poder econômico e, portanto, não têm compromissos com a carreira, e nem com seus pares.
    A SEFAZ de São Paulo é exemplo clássico e definitivo: com raras exceções, os chefetes, diretores, alta administração, são feitores e capatazes de interesses que não são os povo ou da classe.
    Como o mesmo vício assola os “soi disant” líderes, ou melhor, essa turma que se arvora como nossos representantes, está explicada a nossa decadência.
    Congratulo-me com você pela coragem de levantar a questão.
    Parabéns

    • Prezado Edison Farah,

      Agradeço-lhe, mais uma vez, pela atenção que você sempre dedica aos meus textos.

      Como sempre, as suas criteriosas observações agregam uma nova dimensão ao artigo.

      Abraços,

      João Francisco

  2. PREZADOS COLEGAS, gostaria de fazer um registro….por 30 anos eu me dediquei à SEFAZ…..senti na pele o que é ser chefiado por colegas com o perfil de “feitor”…..entretanto também conheci colegas com o talento de líder nato que jamais abusaram do poder a eles confiados por essa Administração que comentamos…..Sendo assim, creio que o maior problema está no despreparo psicológico do colega ao receberem tais funções…..além da falta de uma Lei Orgânica é claro ……o critério para preencher uma função atualmente, não é realmente a ideal mas não é ele isoladamente que provoca essas situações como ouvi falar lá no Vale do Paraiba.por exemplo….dar funções a pessoas despreparadas para exercitar o poder é desastroso tanto faz os critérios de seleção….e quando essas pessoas procuram tirar do agente fiscal de rendas o poder legal de conduzir uma fiscalização engessando-a com a burocracia exagerada é o final dos tempos…..nossa CASA precisa mudar sua estrutura e um pequeno exemplo vai aqui: quantos fiscais temos nas atividades meio e na atividade fim….calculem e tirem suas conclusões…..

  3. Sim, Uriel, tem razão.Pesa também sobremaneira a questão do preparo pessoal dos que ascendem a cargos de chefia.
    Desde que iniciei minha vida profissional, meu primeiro chefe-empresa privada-, 50 anos atrás, me disse que o problema do Brasil era gerencial.
    A absoluta falta de gente preparada para gerenciar, na completa acepção do termo. Ele dizia isso para todos os níveis, na área pública e privada.
    Cinquenta anos depois, tudo continua na mesma. Não temos preparo para gerenciar, não temos para para viver. Não temos preparo para nada que signifique conformar/plasmar uma civilização.
    Abraços

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: