Administração Pública “Gerencial” Moderna (APUM)

Hugo Mescolin Gaudereto

A Administração Publica “Gerencial” Moderna (APUM) é uma nova ferramenta que promete revolucionar a Administração Pública. Seu modus operandi é baseado no funcionamento das empresas privadas, nada impedindo que a técnica seja adotada também nas empresas públicas e até entes governamentais. Para tornar as medidas digeríveis e palatáveis para o funcionário público é necessário um “Choque Digestão”. Segue o princípio Constitucional da Eficiência e do mínimo de esforço com o máximo de resultados. Os objetivos são o total controle das atividades e a obtenção do máximo de resultados monetários no curto prazo a qualquer custo, pois os fins sempre justificam os meios. Os resultados monetários positivos, ou seja, os lucros são determinantes em qualquer organização. Para manter o controle total das atividades de forma impessoal e evitar conflitos desnecessários (de ordem pessoal) um sistema computadorizado é implantado, o prolasno. Todos têm de seguir os ditames do sistema e todos, menos a gerência, têm sua remuneração atrelada ao cumprimento de metas superdimensionadas e de atividades parametrizadas, implicando que o funcionário, o asno, nunca auferira sua remuneração contratada. A remuneração do gerente é total e integralmente garantida. É uma evolução do BSC (Bucéfalos Sacaneando Colegas).

 O Administrador blico Gerencial Moderno, O PUM, é um colegiado composto de gerentes mais experientes e é também o cérebro desta ferramenta gerencial. O PUM é simplesmente a nova denominação da Alta Administração das organizações. A gerência é subdividida em baixa, média e alta gerência. A baixa gerência fica em contato direto com o asno e é bem operacional; a média faz a ligação entre a baixa e alta gerencia; e finalmente a alta gerencia que é cérebro do prolasno e o PUM propriamente dito. Ser gerente nesta nova ferramenta administrativa é considerado um dom e por este motivo a gerência é vitalícia. Aos gerentes todos os segredos do PUM lhes são revelados e por esta razão, os escolhidos só perdem o cargo de gerente com a morte física. Os segredos do PUM são guardados a sete chaves. No caso da baixa gerência, devido à extrema proximidade com o asno e possibilidade de contaminação, a vitaliciedade é apenas potencial e os segredos do PUM só são parcialmente revelados.

A remuneração dos gerentes é garantida e é no mínimo cem por cento superior a do asno, de forma que todo asno quer ser gerente. Para se tornar gerente o asno tem de possuir, logicamente, o dom de não pensar, e fazer sem pestanejar e questionar o que o superior mandar e o sistema determinar.  A regra básica é seguir religiosamente o PUM que é soberano, sábio, sempre tem razão e é inquestionável. É de suma importância, para que a ferramenta funcione a contento, que pelo menos vinte por cento de todo efetivo da organização ocupe cargos gerenciais.  Como a alta e média gerencia são, de fato, vitalícias, seu número de cargos constantes e só se permite permutas internas, a baixa gerência, devido a sua vitaliciedade potencial, é que mais cargos possui e é a porta de entrada para o fabuloso mundo gerencial.

Os idealizadores da ferramenta entendem que o Estado é ineficiente e a introdução dos preceitos da iniciativa privada no serviço público é a grande solução para o problema.  Há certos serviços que não são vocação da iniciativa pública, como saúde, educação e previdência, que tem de ir para a privada rapidamente, sob pena de entrarem em colapso.  Outros como, por exemplo, a fiscalização tributária a APUM tem como proposta a introdução paulatina de preceitos flexibilizadores da iniciativa privada, que promete revolucioná-los torná-los muito mais eficientes, flexíveis e no futuro, quem sabe, privatiza-los.

Como não poderia ser de outra forma, o foco está sempre no cliente. O ideal seria que o peso morto do Estado não existisse. Mas como este ideal está além da realidade, infelizmente, temos de conviver com o mal do pesado e ineficiente Estado. Neste sentido a APUM busca o controle total dos clientes do negócio estatal. Na iniciativa privada lucro e o cliente são as razões da existência do negócio. Estes conceitos podem ser estendidos para o serviço público com muito sucesso, principalmente, nos setores mais refratários a mudanças.

Tomemos como exemplo a fiscalização tributária e o seu cliente, o contribuinte. O ideal seria que não existissem contribuintes sonegadores e todos pagassem seus tributos tempestivamente sem necessidade de fiscalização. Não havendo como eliminar os maus contribuintes, a fiscalização torna-se um mal necessário.  Desta forma o sonegador torna-se um parceiro, o foco e razão da existência da fiscalização tendo de ser controlado e até perpetuado e não ferozmente combatido. O ideal seria a criação de um código de defesa do sonegador, ou, CDS, como forma de demonstrar a boa vontade do governo negociar e chegar a um bom termo. O bom contribuinte não precisa de código de defesa, pois, quita suas obrigações em dia e tempestivamente.  O processo de controle do contribuinte sonegador consiste em transformá-lo em bom contribuinte, eliminando o peso das penalidades, concedendo favores fiscais, enfraquecendo a fiscalização, estimulando o pagamento dos débitos com o perdão de multas e, dependendo do cliente, até perdão dos tributos passados com a promessa, registrada em cartório, que os próximos novos tributos no futuro serão quitados.

Desta forma aufere-se o máximo de resultados monetários de forma rápida e eficaz no curto prazo – que é o “lucro” no serviço público. O elevado custo destas medidas no médio e longo prazo é irrelevante e não têm importância, pois, um dos nossos principais objetivos é o monetário com foco no curto prazo e também o sucesso do governo ao qual servimos (o conceito da perenidade do Estado não existe).  Se depois o ônus cair sobre outros governos, isso não é problema nosso, é só ter fé no PUM, pois ele é sábio, tem Poder Eterno e dará a solução futura. Mesmo nos negócios do “Estado” os fins sempre justificam os meios.  Em suma, as soluções não estão e nunca estiveram na iniciativa pública e sim na privada.

Conclusão

Esta nova ferramenta gerencial demonstra com sua lógica decartiana e milenar sabedoria que quando não se pode vencer um inimigo o melhor a se fazer, ao invés de combatê-lo, é aliar-se a ele. Algumas pessoas podem questionar a moralidade e legalidade da aplicação da APUM se souberem a forma como o sucesso é alcançado.  Mas a forma de alcançar o sucesso e os insucessos e fracassos são uns dos irreveláveis e secretos segredos do PUM. Só as coisas boas aparecem e engordam as estatísticas do PUM fazendo que ele seja cada vez mais admirado e querido por todo corpo organizacional e porque não a totalidade da sociedade de asnos eleitores que sonham em algum dia virar gerentes.

O texto acima é um exemplo de como não deve ser tratada Administração Pública e principalmente a Administração Tributária.  Qualquer semelhança é mera coincidência

hugolin@uol.com.br

 

ARTIGOS de HUGO MESCOLIN GAUDERETO

NOTA: Os textos assinados não refletem necessariamente a opinião do BLOG do AFR,  sendo de única e exclusiva responsabilidade de cada autor.

4 Responses to “Administração Pública “Gerencial” Moderna (APUM)”

  1. Muito Bom!! Só não é melhor e mais engraçada porque é baseada em fatos reais!!

  2. o prolasno deve ser a segunda versão do projegue… Saudações, Hugolin!

    Carlos

  3. Texto ridículo e os comentários acima piores ainda. Total falta de respeito com pelo menos 200 colegas em cargos comissionados.

Trackbacks

Deixe uma resposta para Fábio Calzolari Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: