Direito Penal Arretado – Intercriminis – de Hungria a Capez

Francisco das Chagas Barroso

Cogitação/ preparação:

São Paulo, ano de 1.980.
Elizabeth Mahfouz, mais conhecida como Bete, 35 anos, libanesa de nascença.
Dona de uma pequena loja de roupas no Brás, ainda arranhava no português.
Vivia com Idelbrando, vulgo “Cabeça”, 15 anos mais novo.
Bete sustentava o malandro.

Bete, aculturada, gostava de cinema e de mitologia Greco-romana.
Cabeça, rude,  vivia na marginalidade. Tava na condicional.
Fora de casa, aprontava. Mulherengo, não podia ver um rabo de saia.
Dentro de casa, experiente no ofício, satisfazia a lascívia de Bete, nada recatada.
Mas a vida não tinha paz.
Qualquer discussão, cabeça, violento, a açoitava e agredia. Depois se redimia.

De tanto apanhar e ser traída, Bete  matutava vingança…
Conseguiu uma faca afiada e um 38 com Rubemar, vigia noturno.

Execução / Consumação:

Bete empunha a arma.
– Deza vez eu vô te matare e te capare, zeu cabra zafaroni!
“Cabeça”, cabra corajoso e bom de blefe, dizia:
Mira Bete, mira bem aqui no peito! mata quem te ama!

Bang!!! Bang!! Bang!!
Desfecho fatal. Bete termina o serviço com a faca afiada.

Viatura policial. Flagrante delito.
Bete, fora de si, ainda tentou empreender fuga, mas logo foi alcançada.
– Quero uma Sanchez para me explicare, zeu guarda, bradava Bete.
Algemada, foi conduzida à delegacia de homicídios mais próxima.

Na delegacia, com o Delegado de plantão:
– Dona Bete, você matou o seu marido?
– Ele tá Roxim!
– Zeu delegado…. Eze peste não era meu marido, só Damásio!
– Eze desgrazado agora não vai mais me traire nem lá no inferno, eu o Capez!

Execução da pena/Progressão:

Elizabeth, ré primária, crime passional, pegou apenas 9 anos. Após cumprir parte da pena, já no semi-aberto, Elizabeth fugiu do Brasil e foi morar na Hungria, onde casou com o húngaro germano Welsels.

Mais tarde, fixou domicílio em Barcelona, na Espanha, onde gostava de frequentar a churrascaria brasileira “Tourinho na Brasa”.

Por vezes, Bete, com passaporte falso, curtia as férias em Fernando de Noronha.

Elizabete faleceu 20 anos depois do casamento. Após sua morte, descobriu-se que manteve um caso extraconjugal com o famoso toureiro espanhol Luiz Flavito Gómez.

franchaba@bol.com.br

PERFIL e ÍNDICE de ARTIGOS de FRANCISCO DAS CHAGAS BARROSO

NOTA DO EDITOR: Os textos dos articulistas não reflete necessariamente a opinião do BLOG do AFR, sendo de única e exclusiva responsabilidade de cada autor.

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: