A ética hipócrita da OAB…

…e a lavagem de dinheiro no âmbito dos honorários advocatícios

Francisco das Chagas Barroso

No dia do advogado, que é comemorado em 11 de agosto, se observa discursos bonitos e emocionantes nas várias seccionais da Ordem dos Advogados em todo o país.

Teatrais, convincentes, por vezes, esses experts no vernáculo tentam convencer a sociedade de que o Advogado é instrumento essencial à cidadania e à democracia, e exaltam a ética como valor fundamental.

Remontam ao passado e citam o célebre Rui Barbosa, no império, e Sobral Pinto, na ditadura militar. Aplausos!!!  A OAB, de fato, tem muito em que se orgulhar do passado, mas a mesma premissa não se aplica absolutamente ao presente. Existem reservas!

Para começar, essa instituição há muito deixou de ser combativa. Teve seus arroubos de combatividade em certos momentos históricos, tendo também, no âmbito federal, uma relativa atuação, que varia conforme seu presidente.

Então, uma indagação se faz interessante,  qual seja:

Se a OAB é tão importante para a sociedade, porque vivemos essa crise ética e moral nas instituições? Porque essa importante ordem classista não sai do discurso e age com mais rigor contra a corrupção, ilegalidades e inconstitucionalidades que permeiam este país como ervas daninhas em capoeira??”

A resposta a essa pergunta, se proferida pela própria OAB, certamente será satisfatória aos membros da ordem corporativa e aos mais desavisados, mas não convence quem tem um mínimo de censo crítico da realidade.

Então, qual é o tamanho da atuação da OAB, ante ao gigantismo da corrupção do país?

A resposta é objetiva: “o tamanho é pequeno”.

Um exemplo da distância da OAB e a sociedade é o caso emblemático de Rondônia. Com todo o respeito que a instituição merece, a verdade é que nunca se viu aqui, no âmbito local, o presidente da seccional agir efetivamente contra a corrupção e frequentes inconstitucionalidades e ilegalidades – principalmente nos atos do  Executivo – com os instrumentos legais que tem a disposição, como a proposição de ADIns no TJ local para as questões que ferem a Constituição estadual ou outras medidas, como denúncias formais no MP, etc. Isso é lamentável!  Só discursos não mudam um país!

Mas o mais grave é a falta de ética dos profissionais do direito. Não se trata de uma generalização, mas da constatação de uma realidade inegável.

A falta de ética da Ordem se revela primordialmente pela aceitação, embora velada, da “pendura” ou calote, tradicionalmente praticada no dia do advogado, principalmente por estudantes de Direito, em estabelecimentos comerciais.

Outro aspecto preocupante diz respeito aos honorários advocatícios, que, nos termos atuais, sem limites legais, são meios fabulosos para a lavagem de dinheiro, aspecto facilitado pelo fato dos profissionais do direito gozarem de quase absolutas prerrogativas que lhes garantem o sigilo funcional, no caso, óbice importante a revelar às  autoridades as negociações escusas.

Nesse ambiente que não desperta suspeitas aos desavisados, e, ante ao poder da OAB, parece que ninguém quer mexer no “vespeiro” denominado Honorário advocatício. Existem casos em que a porcentagem dessa contraprestação pelos serviços advocatícios passa dos 50%.

Em Rondônia, a Polícia Federal investiga um grande esquema envolvendo advogados e juízes do TRT.  Consiste em ações trabalhistas bilionárias e duvidosas, já em fase de pagamento dos precatórios, onde advogados receberam honorários milionários, enquanto pessoas humildes, partes da ação, tiveram seus valores aviltados e outras, nem viram a cor do dinheiro. Mas a própria justiça tem dificuldades para esclarecer os fatos e alcançar os envolvidos.

Não é por acaso que até hoje não se limitou legalmente o percentual dos honorários advocatícios, que alimenta verdadeiras máfias, que se perpetuam impunemente, no subterrâneo dos tribunais judiciais e administrativos e nos balcões de negócio dos escritórios de advocacia. É claro que se a OAB, com seu poder e influência, quisesse limitar esse percentual, sem concessões,  já teria há muito conseguido.

No meio tributário, nas instâncias  administrativas  de julgamento de infrações fiscais, altas porcentagens de honorários pagos pelas empresas autuadas acobertam propinas decorrentes das vendas de decisões, que transitam tranquilamente, em espécie,  até as  mãos dos agentes públicos corruptos.

Já se ouviu da boca de advogados, diversos argumentos para justificar a corrupção no meio advocatício, mas o mais convincente é o que afirma que, o advogado, assim como qualquer outro profissional, advém do seio da sociedade, em grande parte corrupta, e, sendo assim, carrega na mesma medida, essa natureza desonesta.

A despeito dessa explicação banal e lógica, certamente, desmascarar e coibir a lavagem de dinheiro no âmbito dos honorários advocatícios é um desafio do tamanho do poder da OAB e um importante passo no combate à corrupção no país, mas enquanto essa instituição não admitir a sua existência, agindo com corporativismo e enquanto houver essa blindagem institucional quase absoluta em relação aos profissionais do direito, o país não vai avançar na questão.

Isto posto, certamente a sociedade vai continuar ouvindo a OAB  proferir, no dia do advogado, o seu discurso hipócrita de pregação da ética, que vale para os outros, sem atentar para a sua própria.

franchaba@bol.com.br

PERFIL e ÍNDICE de ARTIGOS de FRANCISCO DAS CHAGAS BARROSO

NOTA: O BLOG do AFR é um foro de debates. Não tem opinião oficial ou oficiosa sobre qualquer tema em foco.
Artigos e comentários aqui publicados são de inteira responsabilidade de seus autores.

4 Comentários to “A ética hipócrita da OAB…”

  1. Parabéns, Francisco, pelo seu desassombrado libelo que traz um pouco de verdade à tona sobre o Judiciário brasileiro.
    A prova cabal de que aqui não existe democracia, que nossas liberdades são uma falácia, que esta terra continua sendo um feudo é o arremedo de judiciário que temos.
    Como dizia o sábio Antonio Carlos Magalhães, que ninguém poderá acusar de esquerdista…..rsrs, e que fazia parte dos príncipes desta republiqueta, quando se abrir a caixa preta do judiciário brasileiro é que teremos a exata dimensão do que é corrupção levada à quintessencia. Que o diga Eliana Calmon….
    Parabéns, meu amigo!
    Edison Farah

  2. Bem lembrado, caro colega Farah. Eliana Calmon – Essa guerreira que ousou falar a verdade e tentar mostrar as entranhas do judiciário corrupto. “Eliana Calmon é como uma bela chuva de verão, cujas marcas tímidas dos seus pingos na areia da praia da justiça serão varridas pela ondas gigantescas do poder corrupto que impera no mar da corrupção do Brasil.”

  3. O fato é que tem tanto dinheiro sujo circulando, que as alternativas mais comuns já se esgotaram ( cavalos , obras de arte , antigüidades – carros , barcos etc ). Abrir uma franquia e maquiar prejuízo já virou “denode” também . Meus parabéns ! A todos , aos que ainda acreditam que um dia seremos um pais honesto , e aos que nos trazem à realidade da podridão humana !

  4. a começar desse exame esdruxulo deles sem conteúdo programático, taxa exorbitante e dificuldade elevada sem transparência, mostra a mentira e a picaretagem que esses canalhas pseudodemocratas são capazes.
    Democracia uma ova, apenas lutaram pelo interesse de comandar as instituições e se beneficiar delas fazendo o que quer!!!!!!

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: