Da lei orgânica. Do moderno e do arcaico. Da dignidade de uma profissão. Do resgate de uma classe.

Edison Farah

Colegas do Fisco paulista, e também colegas do fisco nacional em todas as instâncias, municipal, estadual e federal:

Em meditação inevitável nos finais  e inícios dos anos em nossas  jornadas terrenas, destas que nunca escapamos por mais que queiramos, qual avestruzes, enfiar a cabeça na areia para delas fugir, entre tantos assuntos que nos afligem hodiernamente, nestes primórdios do 3º milênio , não pôde faltar a sempre cruel e dolorosa análise da nossa relação com nossa profissão, do nosso comprometimento com o nosso povo, da nossa luta pela nação, essa luta que tem se revelado inglória para aqueles que pugnam por uma civilização decente nestes trópicos.

Tenho para mim que a nossa profissão, de agentes públicos arrecadadores de tributos, está entre as essenciais para a existência de Estado-Nação  que se pretenda democrático de fato, ou seja, justo na gerência e distribuição da riqueza.

Todo  discurso sobre o que seja democracia, como liberdade de expressão, igualdade racial, liberdade de imprensa, erradicação de preconceitos raciais, sexuais,  religiosos, etc., tudo isso é balela para se manter a escravidão da maioria do povo quando não há justa distribuição dos recursos de um país.

O Estado  Brasileiro, com os três poderes, Executivo, Legislativo e  Judiciário, dominados pelo poder econômico, não  é democracia. É arremedo circense para ilusão do um povo anestesiado e mantido sob permanente tutela pela mídia poderosa a serviço do “status quo”.

Nesta esteira  é que o fisco sério e integro, infenso a injunções de qualquer ordem, seria essencial na promoção da verdadeira democracia, junto com um Judiciário autenticamente comprometido com a JUSTIÇA

Assim, com tristeza, anexo texto (veja aqui) meu feito para a classe exatamente há  20 anos atrás, sobre a Lei Orgânica, quando então  já implorava à classe que acordasse, e já previa  o triste destino do fisco paulista que está, dolorosamente, se configurando, pois estamos sem dúvida nos tornando menos importantes que fiscais de feira.

Como neste dias o assunto entrou em pauta pela bela posição do fisco do Pará – liderado por este verdadeiro homem público, que honra a categoria , Charles Alcântara, a quem tive o privilégio de conhecer pessoalmente, e me encantar por verificar que , apesar de tudo, ainda há homens  com brasilidade verdadeira , em um ou outro sindicato  neste pais –  voltemos a ele, como tema de reflexão para o novo ano que se inicia.

Feliz 2012 para todos nós, sob a infinita misericórdia divina para com os habitantes deste planeta.

farah.edison@gmail.com

NOTA: Os textos assinados não refletem necessariamente a opinião do BLOG do AFR,  sendo de única e exclusiva responsabilidade de cada autor.

ARTIGOS e PERFIL de EDISON FARAH (SP)

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: