O desperdício da NF Paulista – Parte II

Antônio Sérgio Valente

No artigo anterior, demonstramos que não há correlação entre a arrecadação do ICMS do setor varejista e o número de emissões com CPF/CNPJ, estas últimas estimuladas pelo programa da NF Paulista.

O Quadro III sintetiza a constatação: as emissões absorvidas pelo programa crescem enormemente, mas patina a arrecadação do segmento que deveria ser o mais afetado, o varejo.

Vá lá que nos anos de 2008 e 2009 aanálise se mostre distorcida pela perda da condição ceteris paribus, eis que a ampliação da ST (Substituição Tributária) ocorreu concomitantemente, mas os números de 2010 e 2011 já são comparáveis: parte das operações é tributada por ST, com recolhimentos pela indústria ou pelo importador, e a outra parte é apurada e recolhida diretamente pelo varejista, em função do valor acrescido ou das alíquotas do Simples Nacional.

Ora, esta segunda parte, a tributada na etapa final, deveria crescer em função das emissões estimuladas pela NF Paulista, mas ficou demonstrado que isto não vem ocorrendo: a arrecadação nominal dos varejistas cresceu em torno da inflação anual, que nestes dois últimos anos foi de 5,64% e 6,64%, pelo IPCA-IBGE, ou de 6,03% e 5,73% pelo IPC-FIPE; vale dizer, sequer absorveu o crescimento do PIB.

Os motivos já foram fartamente apontados na série de artigos sobre a NF Paulista, publicada no final de 2011. O principal deles é que a falta de emissão é apenas uma das 134 modalidades de sonegação existentes. Imagine-se um sistema hidráulico com 134 trincas por onde o líquido vaza; qualquer aprendiz de encanador sabe que, se a pressão interna do sistema for a mesma, ao tapar um dos pontos o vazamento continua exatamente igual, pois o líquido que escapava por ali sairá pelos outros furos. E se a pressão aumentar, vazará mais ainda.

A pressão, em termos tributários, equivale à propensão a sonegar e depende de uma série de fatores, dentre os quais três se destacam: a) a qualidade dos serviços públicos (saúde, educação, segurança, etc); b) a desproporção entre a volúpia arrecadadora e a capacidade contributiva da sociedade (o grau de escorcha e injustiça tributárias); e c) a competência e a lisura como os tributos são investidos (escândalos, malversação, desperdícios, etc).

O primeiro item apresenta problemas crônicos em São Pauloe no Brasil, não é exclusividade paulista, mas os outros dois exacerbaram-se muito no último governo bandeirante, e isto sim é culpa exclusiva de quem governa o Estado.

A ST é exemplo de como a escorcha e a injustiça tributárias se intensificaram no governo anterior. Retirou dos varejistas de pequeno porte benefícios concedidos pela legislação do SN – Simples Nacional. Além disso, ao operar com margens médias, a ST passou a tributar mais os produtos de baixo valor agregado, os menos sofisticados, destinados às classes C e D, e retirou carga tributária dos produtos com margens maiores, consumidos pelas classes A e B, mitigando ainda mais a justiça tributária. Vide série de artigos intitulada Robin Hood às Avessas, publicada aqui mesmo no Blog do AFR, na qual constam exemplos concretos da perniciosidade da ST, nos moldes implantados e ampliados a partir de 2008.

Quanto à competência e lisura no investimento dos tributos, a própria NF Paulista é um exemplo lapidar de como os recursos públicos têm sido mal alocados pelo governo de São Paulo. Vejamos em close quanto custa para o Estado esse programa que sequer alcança o objetivo a que se destina.

O Tamanho do Vazamento

O site da NF Paulista publica os valores mensais de créditos gerados para restituição e de prêmios sorteados. Os números são espantosos. O Quadro IV desta série ilustra os comentários a seguir.

Foram gerados e já disponibilizados para restituição e para pagamentos de prêmios, de jan/2008 a dez/2011, mais de R$ 5 bilhões!!  Dados da SEFAZ-SP, ambiente NF-Paulista.

Repita-se: mais de R$ 5 bilhões!!!

A média mensal de valores investidos no programa, sem contar os custos indiretos (publicidade, administrativos, etc), foi de R$ 46 milhões em 2008, R$ 106 milhões em 2009, R$ 134 milhões em 2010 e R$ 150 milhões em 2011.

Se esse investimento servisse para alavancar a arrecadação, vá lá, haveria saídas de um lado e entradas de outro, mas já demonstramos que tal expectativa não vem sendo alcançada, sobretudo no varejo, que é o segmento diretamente afetado pela NF Paulista.

Ora, mas se tal investimento não serve para formar a cidadania fiscal, eis que nasce maculado pela Lei de Gerson, se atinge o apogeu em 1/3 das operações (apenas um em cada três documentos fiscais é emitido com o CPF/CNPJ do adquirente), e se não contribui para elevar a arrecadação do segmento ao qual se destina, o varejista, então para que serve a NF Paulista?

Acaso serve para restituir tributos aos sem-teto? Aos menores abandonados? Aos milhares de deficientes mentais que perambulam, sem eira nem beira, pelas ruas das metrópoles paulistas? Aos freqüentadores da cracolândia?

Não!!! Os excluídos sequer compram, nem sabem o que é CPF, não compensam o crédito no IPVA, alguns não têm dinheiro nem para andar de ônibus. Sim, alguém da alta cúpula fazendária dirá que os créditos gerados podem ser restituídos por conta bancária… E eu pergunto se é para rir e chorar agora ou depois?

A verdade é que o programa serve, isto sim, para restituir ICMS às classes média e alta, sobretudo aos mais ricos, eis que são estas as camadas sociais que mais gastam e compram. E pior, serve para restituir e premiar, pois são também os mais ricos os que mais concorrem na loteria tributária paulista.

E por ora, ficamos por aqui, que já tem gente reclamando da extensão dos artigos. Deixamos para o próximo o prometido confronto entre a NF Paulista e a Folha de Pagamentos.

Até lá.

asgvalente@uol.com.br

Quadro III — Análise Comparativa do Desempenho da Arrecadação do Setor
Varejista
com a Expansão das Emissões de Documentos Fiscais com CPF ou CNPJ
Período Arrecadação do Média Evolução (2)  NFP c/ Evolução
Setor Varejista (1) Mensal Nominal X CPF / CNPJ Quantitativa
jan/08                                   853,0                    6.499.997
fev/08                                   626,7                    8.762.641
mar/08                                   521,4                   12.399.400
abr/08                                   647,5                   26.846.356
mai/08                                   619,3                   36.860.954
jun/08                                   720,2                   36.258.392
jul/08                                   713,6                   39.153.954
ago/08                                   649,7                   39.579.605
set/08                                   675,8                   37.418.677
out/08                                   679,6                   42.934.171
nov/08                                   620,5                   45.717.543
dez/08                                   677,5                   56.775.519
ANO 2008                                8.004,9          667,1                 389.207.209
jan/09                                   848,2                   49.782.951
fev/09                                   579,7                   46.505.935
mar/09                                   536,0                   55.451.742
abr/09                                   529,5                   61.179.978
mai/09                                   557,0                   66.980.783
jun/09                                   644,6                   69.594.097
jul/09                                   545,7                   81.266.819
ago/09                                   782,3                   84.641.647
set/09                                   696,7                   69.594.097
out/09                                   699,9                   81.266.819
nov/09                                   743,8                   84.641.647
dez/09                                   856,7                   95.019.959
ANO 2009                                8.020,1          668,3 0,19% X                 845.926.474 117,35%
jan/10                                   691,3                 103.655.065
fev/10                                   758,1                 107.052.854
mar/10                                   686,0                 124.098.957
abr/10                                   718,5                 107.552.609
mai/10                                   651,9                 102.741.619
jun/10                                   704,2                 120.479.204
jul/10                                   726,9                 117.720.839
ago/10                                   727,8                 122.696.023
set/10                                   709,6                 121.708.049
out/10                                   692,5                 130.995.377
nov/10                                   746,2                 134.826.833
dez/10                                   792,7                 130.713.636
ANO 2010                                8.605,8          717,1 7,30% X              1.424.241.065 68,36%
jan/11                                   809,9                 139.274.832
fev/11                                   831,8                 140.837.217
mar/11                                   666,8                 165.002.762
abr/11                                   686,0                 141.411.283
mai/11                                   721,0                 138.761.187
jun/11                                   777,0                 147.439.980
jul/11                                   832,3                 146.131.313
ago/11                                   780,2                 157.920.569
set/11                                   784,6                 154.230.452
out/11                                   770,4                 158.108.800
nov/11                                   796,2                 164.078.650
dez/11                 158.895.582
ANO 2011                                8.456,2          768,7 7,19% X              1.812.092.627 27,23%

Observações:

1) Valores de arrecadação do Setor Varejista correspondem à somatória dos valores das Lojas de Departamentos, Supermercados, Outros Varejistas e Contribuintes Não Classificados (rubrica que inclui os do Simples Nacional). Não foram incluídos os valores de PPD e PPI. Os valores foram obtidos no site da Secretaria da Fazenda www.fazenda.sp.gov.br) > Prestando Contas > Relatório da Receita Tributária > mês > Estatísticas de Referência > Tabelas > Tabela 1.4 por setor de atividade. Valores Nominais. Calculados pela média mensal, em face da indisponibilidade dos dados de dezembro/2011.

2) Dados obtidos no site www.nfp.fazenda.sp.gov.br > Detalhes do Placar > Quadro “Documentos Fiscais Processados”.

Quadro IV — Créditos Gerados
e Prêmios Pagos e a Pagar a Pessoas Físicas e Jurídicas

(Valores Nominais em R$)

MÊS

Pessoa

Pessoa

Total PF+ PJ

Prêmios+Sorteios

Custo Direto NFP

Física

Jurídica

(A)

(B)

C= (A)+(B)

Média Mensal

jan/08

44.225

22.941

67.166

67.166

fev/08

129.136

114.942

244.078

244.078

mar/08

327.772

126.825

454.597

454.597

abr/08

2.535.835

1.341.455

3.877.290

3.877.290

mai/08

10.865.417

6.287.857

17.153.274

17.153.274

jun/08

20.685.385

9.727.464

30.412.849

30.412.849

jul/08

32.476.049

10.450.002

42.926.051

42.926.051

ago/08

77.121.779

12.720.429

89.842.208

89.842.208

set/08

72.357.637

14.385.318

86.742.955

86.742.955

out/08

75.927.245

16.066.866

91.994.111

91.994.111

nov/08

75.559.929

15.403.627

90.963.556

90.963.556

dez/08

70.471.967

16.932.912

87.404.879

12.300.000

99.704.879

438.502.376

103.580.638

542.083.014

12.300.000

554.383.014

46.198.585

jan/09

68.912.218

14.940.025

83.852.243

12.000.000

95.852.243

fev/09

72.115.202

13.398.653

85.513.855

12.000.000

97.513.855

mar/09

107.326.239

12.530.902

119.857.141

12.000.000

131.857.141

abr/09

100.112.392

11.964.150

112.076.542

12.000.000

124.076.542

mai/09

63.835.844

10.444.555

74.280.399

12.300.000

86.580.399

jun/09

60.870.193

12.097.527

72.967.720

12.300.000

85.267.720

jul/09

71.621.867

6.797.797

78.419.664

12.000.000

90.419.664

ago/09

83.032.618

6.930.337

89.962.955

12.300.000

102.262.955

set/09

81.647.625

7.041.224

88.688.849

12.000.000

100.688.849

out/09

98.959.718

7.752.875

106.712.593

12.300.000

119.012.593

nov/09

99.640.182

8.536.142

108.176.324

12.000.000

120.176.324

dez/09

87.670.131

9.989.055

97.659.186

18.100.000

115.759.186

995.744.229

122.423.242

1.118.167.471

151.300.000

1.269.467.471

105.788.956

jan/10

98.050.726

10.546.787

108.597.513

17.000.000

125.597.513

fev/10

102.450.829

11.062.332

113.513.161

17.000.000

130.513.161

mar/10

140.000.043

11.319.160

151.319.203

17.000.000

168.319.203

abr/10

96.183.116

8.621.054

104.804.170

17.000.000

121.804.170

mai/10

73.797.434

7.957.230

81.754.664

17.300.000

99.054.664

jun/10

88.484.081

11.642.134

100.126.215

17.300.000

117.426.215

jul/10

92.875.613

11.661.854

104.537.467

17.000.000

121.537.467

ago/10

97.848.456

12.416.945

110.265.401

17.300.000

127.565.401

set/10

109.686.408

12.180.236

121.866.644

17.000.000

138.866.644

out/10

108.561.269

14.442.771

123.004.040

17.300.000

140.304.040

nov/10

101.897.240

78.428.244

180.325.484

17.000.000

197.325.484

dez/10

94.505.504

12.939.981

107.445.485

18.100.000

125.545.485

1.204.340.719

203.218.728

1.407.559.447

206.300.000

1.613.859.447

134.488.287

jan/11

94.719.028

13.653.611

108.372.639

17.000.000

125.372.639

fev/11

101.211.584

14.300.172

115.511.756

17.000.000

132.511.756

mar/11

176.883.127

17.603.378

194.486.505

17.000.000

211.486.505

abr/11

114.242.757

14.294.080

128.536.837

17.000.000

145.536.837

mai/11

91.065.509

14.354.574

105.420.083

17.300.000

122.720.083

jun/11

99.889.725

15.609.278

115.499.003

17.300.000

132.799.003

jul/11

103.919.044

16.286.465

120.205.509

17.000.000

137.205.509

ago/11

125.568.758

18.620.461

144.189.219

17.300.000

161.489.219

set/11

133.490.439

18.249.843

151.740.282

17.000.000

168.740.282

out/11

124.839.076

18.294.861

143.133.937

17.300.000

160.433.937

nov/11

113.808.387

19.982.246

133.790.633

17.000.000

150.790.633

dez/11

116.647.832

20.213.058

136.860.890

18.100.000

154.960.890

1.396.285.266

201.462.027

1.597.747.293

206.300.000

1.804.047.293

150.337.274

Total

4.034.872.590

630.684.635

4.665.557.225

576.200.000

5.241.757.225

Observações:

1) Dados obtidos no site www.nfp.fazenda.sp.gov.br > Detalhes do Placar > Valores Distribuídos > colunas “Céditos Gerados” e “Prêmios e Sorteios”. Incluem valores já resgatados e a resgatar.

2) O CUSTO DIRETO da NFP não inclui gastos com publicidade.

ARTIGOS de ANTONIO SÉRGIO VALENTE

NOTA: Os textos assinados não refletem necessariamente a opinião do BLOG do AFR,  sendo de única e exclusiva responsabilidade de cada autor.

4 Comentários to “O desperdício da NF Paulista – Parte II”

  1. Excelente artigo; num país sério, mereceria divulgação na imprensa, em um jornal tipo “Valor Econômico”, ou em revista de economia da Fundação Getúlio Vargas. Na minha opinião, a principal finalidade da nota fiscal paulista foi criar um tema para mídia, que permitisse torrar milhões em publicidade subliminar, sem que pudesse ser feita acusação de malversação de recursos públicos, ao mesmo tempo em que agrada aos veículos – imprensa falada e escrita – que no Brasil dependem de patrocínio para sobreviverem. Essa finalidade permanece até hoje e permite prever que, enquanto houver PSDB no comando de São Paulo, o programa Nota Fiscal Paulista continuará drenando recursos que são negados a setores estratégicos para a população.
    A verdadeira dimensão das perdas causadas ao erário pela Nota Fiscal Paulista, além dos já indicados, deve incluir também os valores gastos em publicidade, que no ano de 2010, de eleição para presidente, atingiram o auge de exposição na mídia, além do custo incalculável de mobilização da máquina fiscal para verificação de denúncias relacionadas com o assunto.

  2. Excelente. Dispensa elogios. O qualidade do texto fala por si só. Sim, esta série de artigos precisa ir para o Valor Econômico. Caro Valrente, pense em elaborar um artigo mais sintético para publicação tanto na imprensa de menor circulação (Carta Capital, Diplomatique e Valor Econômico) quanto na imprensa de grande circulação (Veja). Faço minhas as palavras do Manoel acima. Não podemos mais permitir que o governo tucano continue torrando, no mínimo, R$ 150 milhões com este programa eleitoreiro que só beneficia a classe média. Se estes recursos fossem revertidos em investimentos na Administração Tributária (o que inclui a adequada remuneração dos AFRs), os resultados para a sociedade seriam bem melhores. Outro ponto que merece uma investigação: a receita repassada ao Fundo de Participação dos Municípios é deduzida dos créditos retidos pelo Nota Fiscal Paulista? Se for, mais de 600 prefeituras paulistas, governadas ou não por tucanos, contribuem para o PSDB. Os prefeitos sabem disto?
    Vamos pensar em levar seus artigos para imprensa.
    Abraços
    Ângelo

  3. Lembrei de outra coisa
    É legal alocar receitas de impostos à pessoas? Até onde eu saiba o produto da arrecadação de impostos não pode beneficiar pessoas específicas, mas todos os cidadãos!!!

  4. Caros Manoel e De Angelis.
    O assunto da elaboração sintética dos artigos (os jornalistas têm um palavra técnica para isso: copidescagem), já está sendo tratato com o SINAFRESP. Creio que em breve teremos alguma notícia a respeito. O problema é que a matéria é complexa e exige espaço amplo. Base se ter uma ideia, a primeira série que publicamos aqui no próprio Blog do AFR, sob o título NOTA FISCAL PAULISTA, abrangeu quatro artigos, e esta de agora (O DESPERDÍCIO DA NF PAULISTA) foi projetada para três partes.
    O nosso objetivo é conscientizar as cúpulas fazendárias, mesmo porque essa receita de bolo vem se espalhando pelo país e é dinheiro público que está sendo drenado. E o pior, em vão, pois a arrecadação de setor varejista não responde ao programa, não cresce mais do que a inflação e o PIB, não mitiga a sonegação.
    Mas voltaremos ao tema.
    Ah, e obrigado pelos comentários generosos.
    Abraços.

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: