Estelionato eleitoral

João Francisco Neto

“Ao tempo do político demagogo, o Brasil e mundo eram muito mais simples”

Em tempos passados, falava-se muito no Brasil em políticos demagogos, que seriam aqueles que, na campanha eleitoral, faziam promessas maravilhosas que eles já sabiam que não teriam condições de cumprir. Antes das eleições, eram só sorrisos e muita simpatia; depois de eleitos, fechavam a cara e sumiam de cena. As tais promessas ficavam só no papel. Nas próximas eleições, os mesmos candidatos reapareciam e, sem nenhuma cerimônia, apresentavam “novas” promessas descaradamente mentirosas e, ainda assim, muitas vezes eram eleitos.

Na essência, isso não acabou. Hoje, fala-se mais na prática do estelionato eleitoral, em que o candidato eleito é acusado de ter enganado seus eleitores, não exatamente por ter-lhes prometido coisas que não tinha condições de realizar. Agora, o candidato simplesmente omite importantes partes do seu real plano de governo. Agindo assim, o político oculta os seus reais propósitos – que é apenas vencer a eleição -, de forma que, depois de eleito, acaba por surpreender negativamente o seu eleitorado.

Durante o período da propaganda eleitoral, esses candidatos acenam com um mundo maravilhoso, pleno de emprego e crescimento da economia. Tudo isso, obviamente a partir do próximo mandato, caso se elejam. O estelionato eleitoral também se configura naqueles casos em que, para se reeleger, o governante de plantão deixa de adotar medidas amargas e impopulares, porém absolutamente necessárias.

O fato é que, no estelionato eleitoral, o candidato vencedor passa a adotar uma agenda de governo completamente diversa daquela que havia prometido para se eleger, o que causa grande contrariedade entre o povo em geral. Afinal, se todos soubessem que seria assim, a maioria não teria votado naquele candidato. Aí está a fraude contra a boa-fé do cidadão comum, que vota sempre pensando no melhor cenário.

Nem sempre as promessas são feitas por má-fé. Muitos candidatos, por não saber ao certo quais são as atribuições de seus cargos, acabam por prometer aquilo que legalmente não poderão realizar. Por exemplo, vereadores que prometem asfaltar a sua rua, quando isso na verdade é responsabilidade do prefeito. Há também candidatos a prefeito que prometem melhorar a segurança pública, quando isso é uma atribuição do governador do Estado.

Pois bem, ao tempo do político demagogo, o Brasil e mundo eram muito mais simples; pouca gente tinha acesso à TV e, como não havia internet, a informação também não circulava tão livremente como hoje, em que as pessoas ficam permanentemente conectadas na rede mundial de computadores, onde nada passa despercebido. Agora, já não se justifica mais que tanta gente se sinta enganada por esse tipo de político.

O fato é que, com tudo isso, se um candidato fizer sua campanha, falando apenas a verdade, e com uma plataforma eleitoral que preveja a adoção de medidas duras e restritivas, inclusive com a dispensa de funcionários ociosos, com certeza esse candidato jamais seria eleito. Assim, ficamos num impasse, pois, ou promete tudo para ser eleito, ou então se fala a verdade nua crua, sob o risco de amargar uma derrota eleitoral.

-–

jfrancis@usp.br

*Agente Fiscal de Rendas aposentado,
mestre e doutor em Direito Econômico e Financeiro (FD-USP)

ARTIGOS de JOÃO FRANCISCO NETO

NOTA: O BLOG do AFR é um foro de debates. Não tem opinião oficial ou oficiosa sobre qualquer tema em foco.
Artigos e comentários aqui publicados são de inteira responsabilidade de seus autores

Tags:

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: