A crise da globalização

João Francisco Neto

“Nos últimos anos, ficou muito claro que a União não era tão unida, assim”

Há tempos que a globalização já vem sendo dada como algo certo e irreversível, pois a passos rápidos caminhamos para um mundo sem fronteiras e cada vez mais integrado. Mas eis que, com a eleição de Donald Trump, o mundo sofreu um choque de realidade, na medida em que vimos que nem todos estavam tão contentes assim com a globalização. E foram justamente esses descontentes que levaram Trump ao poder e aprovaram o Brexit, a decisão de saída do Reino Unido da União Europeia.

Aliás, desde a década de 1990, a Europa vem enfrentando um surto de nacionalismos de povos que, até então, passavam despercebidos. Com a queda do Muro de Berlin e a consequente derrocada do comunismo soviético, surgiu uma série de povos e nações dos quais ninguém mais se lembrava. Entre tantos outros, “surgiram” Bielorrússia, Moldávia, Geórgia, Azerbaijão, Uzbequistão, Quirguistão, sem contar as regiões em conflito como a Chechênia. Da desintegração da antiga Iugoslávia formaram-se várias repúblicas, como a Eslovênia, Croácia, Macedônia, Sérvia, Montenegro e Bósnia, além das regiões autônomas, como o Kosovo.

Esta multiplicidade de povos e nações dá a ideia da diversidade dos nacionalismos que sempre existiram no continente europeu, e que por décadas ficaram sufocados e silenciados por força da opressão do regime soviético. Com a desintegração da antiga União Soviética, esses nacionalismos emergiram com grande impacto.

Assim, a partir dos anos 1990, enquanto o leste europeu fervilhava por conta de conflitos de acomodação de tantos povos agora “libertos” do comunismo, a parte mais rica da Europa crescia embalada pelo sonho dourado de uma união ancorada nos países mais fortes, como a Alemanha e a França. A ideia de uma comunidade europeia única surgiu após o final da 2ª Guerra Mundial. Cansados de tantos conflitos sangrentos, os principais países europeus entenderam que a melhor solução para uma paz duradoura seria o compartilhamento de interesses econômicos. Afinal, se tivermos interesses em comum, não nos convém fazer guerra.

Dessa forma, a União Europeia foi se consolidando como um importante bloco econômico, capaz de fazer frente às potências como Estados Unidos e China. Por uns tempos, o ideal da globalização foi se incorporando, com a adesão de mais países, a ponto de hoje a União Europeia ser composta por 28 Estados-membros, sendo que no início eram apenas 6.

Ocorre que, nos últimos anos, ficou muito claro que a União não era tão unida, assim, ou seja, dentro do bloco havia países com mais privilégios e com maior poder de mando do que os demais. Hoje todos reconhecem que o país central e mais poderoso, e que dita a regras da comunidade europeia, é a Alemanha.

Os tratados da União Europeia obviamente não conseguiram eliminar as desigualdades econômicas que havia antes da formação do bloco. Por isso, muitos países acabaram sofrendo duras consequências internas para adaptação à nova sistemática, principalmente à moeda única, o euro. O caso mais evidente foi o da Grécia, que até hoje está atolada numa crise financeira sem fim. Mas há outros países que passam por crises similares, inclusive com altas taxas de desemprego estrutural, como Portugal e Espanha.

Isso tem levado milhões de pessoas a um profundo desencanto com a outrora festejada globalização dos mercados. O primeiro país que tomou a decisão de pular fora do barco europeu foi o Reino Unido; entretanto, há outros que cogitam de seguir o mesmo caminho. A simples decisão de saída do Reino Unido já representou um monumental abalo nas estruturas da União Europeia, e, por conseguinte, da globalização, que por ora, sofre um grave refluxo.

jfrancis@usp.br

*Agente Fiscal de Rendas aposentado,
mestre e doutor em Direito Econômico e Financeiro (FD-USP)

ARTIGOS de JOÃO FRANCISCO NETO

NOTA: O BLOG do AFR é um foro de debates. Não tem opinião oficial ou oficiosa sobre qualquer tema em foco.
Artigos e comentários aqui publicados são de inteira responsabilidade de seus autores

Tags:

One Comment to “A crise da globalização”

  1. No final do século 20 entrou em cena o Capitalismo de Estado fazendo frente ao comércio no livre mercado que tirou bom partido da globalização e logo superou a crise financeira de 2008, enquanto o Brasil deu marcha ré com queda de 9% no PIB e 10% na renda média, face à corrupção institucionalizada e a sua dependência de dólares.

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: