Poder e corrupção

jfrancisconewJoão Francisco Neto

“Os escândalos pipocam no ar, as pessoas se manifestam e os partidos só lidam com os fogos de artifício”

Nos últimos tempos, a agenda política nacional foi praticamente capturada por seguidas denúncias de corrupção, que brotam de todos os lados, configurando uma situação que, desde o governo Vargas, convencionou-se chamar de “mar de lama”.  Revoltado, o povo a tudo assiste e, embora não concorde com nada, sente-se impotente para promover uma mudança rápida desse estado de coisas; vez por outra, uma parte da população sai às ruas para protestar e demonstrar a sua insatisfação.

O que se nota é que há um claro descompasso – um abismo, na verdade – entre os políticos e o sentimento da população. De um lado, há uma classe política gestada e viciada nas práticas inconfessáveis do “toma lá, dá cá”; de outro, uma sociedade que trabalha duro, paga muitos impostos e tem pressa para ver o país crescer e alcançar padrões mínimos de decência e eficiência em serviços públicos. Infelizmente, ao invés de resultados, o que se vê é somente retrocesso.

Apesar de tudo, é forçoso reconhecer que a corrupção não é um fenômeno exclusivamente brasileiro; o que difere um país de outro é a certeza da impunidade e a concentração de poder. Afinal, o que esperar de uma autoridade que dispõe de um poder não claramente delimitado, sem responsabilidade definida e sem controle eficaz? O historiador inglês Lord Acton (1832-1902), estudioso da política e das questões de governo, cunhou uma frase que já se tornou clássica: “O poder tende a corromper; e o poder absoluto corrompe absolutamente” […] Continue lendo

Tags:

One Comment to “Poder e corrupção”

  1. Caríssimo João Francisco Neto, gostei muito do seu artigo e peço vênia para destacar que “Os escândalos pipocam no ar, as pessoas se manifestam e os partidos só lidam com os fogos de artifício”. Enquanto isso, políticos seguem empurrando com a barriga. A grande verdade atual é que se houvesse menos corrupção, menos roubalheira e menos desvio do dinheiro público (que de público não tem nada) e, ainda, se houvesse um corte efetivo nas regalias e mordomias que ostentam o Congresso Nacional e o Plalácio do Planalto, o custo Brasil seria mais equilibrado com a vultosa arrecadação tributária, verdadeira sangria desatada no coração do povo brasileiro, que ainda tem um “pulso que ainda pulsa”.

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: