Auditor fiscal: despesa ou investimento?

Escalada de aposentadorias ultrapassa 25% do quadro

Quando se fala em nomeação de novos servidores públicos do governo estadual, logo se imagina o impacto no orçamento que a entrada desses servidores irá causar na folha de pagamento. Porém, é preciso que a sociedade tome conhecimento da importância de servidores qualificados para o trabalho desenvolvido por um Auditor Fiscal do Tesouro Estadual AFTE), este é um ponto inquestionável.

Depois de 22 anos sem a realização de um concurso público, a Secretaria da Fazenda de Pernambuco, em 2014, promoveu um novo certame para vagas de AFTE. Ao todo, 697 candidatos foram aprovados. Porém, até o momento, estamos aguardando a nomeação das 25 vagas iniciais previstas no edital.

No Rio de Janeiro o governo do Estado, por exemplo, desde 2007, vem ampliando o quadro de concursados da secretaria da Fazenda. Os dados foram divulgados no portal oficial:

O resultado dessa política é visível, como reconhece o próprio governador Luiz Fernando Pezão: o orçamento estadual, que em 2007 foi de R$ 33 bilhões, pôde saltar para R$ 84 bilhões este ano, permitindo mais investimentos sociais. E de 2012 para 2013 houve um crescimento de 15,25% na arrecadação do ICMS. Essa política acertada, de valorizar os servidores e manter Quadros compatíveis de pessoal nas áreas estratégicas, deve permanecer e ser estendida a outros segmentos, ainda deficientes. E virar exemplo para outros estados e prefeituras, muitos dos quais vivem choramingando falta de recursos[…] Saiba mais

Leia também:

Escalada de aposentadorias na Receita Federal

Sindicatos se posicionam sobre defasagem de servidores

Sindifisco Nacional defende convocação dos excedentes

EC 47/2005 – Aposentadorias versus nomeações

Divulgado o quadro de vagas da Sefaz-SP

2 Comentários to “Auditor fiscal: despesa ou investimento?”

  1. Excelente matéria! O auditor fiscal é capital humano indispensável ao equilíbrio fiscal sustentável da administração pública. Com o seu trabalho, é possível combater a sonegação de tributos, promovendo a justiça fiscal e evitando-se a elevação da carga tributária.

    Com as finanças organizadas, o Estado tem menor necessidade de financiamento e maior possibilidade de obtê-lo se o desejar, posto que as instituições financeiras necessitam garantias como contrapartida para a liberação de empréstimos.

  2. Muito boa a matéria! E em momento de crise, o Estado deveria fortalecer a Administração Tributária para dar mais condições de combater a Sonegação e consequentemente gerar mais receita para gastar com os Projetos sociais que a População necessita tanto.

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: