Sindicato versus Facebook

Entidades precisam rever forma de atuação para representar profissionais mais críticos e conectados

No início de novembro, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, no interior de São Paulo, anunciou uma greve geral por tempo indeterminado na principal unidade da Embraer, em São José dos Campos.

E, então, ocorreu o inusitado: descobriu-se que a maioria dos trabalhadores era contra a paralisação. No dia seguinte ao anúncio da greve, foi criada no ­Facebook uma página com o título “Sou Embraer e não estou em greve”. Nas primeiras 6 horas, 2 000 funcionários entraram no grupo, que chegou a 4 000 membros em dois dias. Na página, há postagens reclamando que:

o sindicato não ouviu o pessoal administrativo na votação da greve”

Para a socióloga Noêmia Lazzareschi, da PUC-SP, o episódio na Embraer reflete a falta de representatividade do sindicalismo brasileiro:

No Brasil, muitos sindicatos são vistos como trampolins para líderes que almejam uma carreira política

Na era das redes sociais, que criaram a possibilidade de os cidadãos se mobilizarem de forma ágil para defender seus interesses, a insatisfação com essas entidades tende a ficar mais evidente.

As velhas formas de sindicalismo estão ficando para trás […] Saiba mais

Leia também:

Sindicato tem linha direta com a categoria

Sindifisco Pará transmite AGE ao vivo

Comunicação é ferramenta de disputa de poder

Intolerância, decisões secretas e a classe fiscal

Sindicato & Representatividade

Tags:

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: