Archive for dezembro 13th, 2014

dezembro 13, 2014

Pauta 2015. Auditores federais mobilizados!

Pelo fortalecimento da carreira em ato no Ministério da Fazenda

O ato público reuniu servidores em Brasília, na manhã de quarta-feira (10). O movimento foi o primeiro de uma série que deve se implementar em 2015, caso o Governo não atenda às reivindicações da categoria, e chama atenção para os problemas que vêm sendo enfrentados pelo órgão.

O presidente do Sindifisco Nacional, Cláudio Damasceno, alertou que a Receita Federal está perdendo protagonismo nos últimos anos e que outras secretarias do Ministério da Fazenda passaram a comandar a política tributária, deixando de fora quem mais entende do assunto. Damasceno lembrou que o Governo precisa de uma arrecadação forte e que este trabalho depende dos Auditores Fiscais.

O representante da Unafisco, Mário Pinho, reclamou que, quanto à remuneração, os auditores da Receita estão na 13ª posição se comparados aos auditores estaduais […] Saiba mais

[youtube http://youtu.be/SSScSTG2Dpo?t=24s]

Leia também:

AFRFBs paralisam Ponte da Amizade por Adicional Fronteira

Servidores protestam com torneira que jorra dinheiro

Calabi abre agenda para receber sindicato

dezembro 13, 2014

Substituição Tributária: Robin Hood às Avessas – Parte 12

valenteAntônio Sérgio Valente

Efeitos do IVA sobre as indústrias

O setor industrial sairia ganhando com o fim da Substituição Tributária, combinado com a transformação do ICMS não-cumulativo periódico em IVA puro. É que continuaria a apurar com o estímulo que o ICMS não-cumulativo periódico financeiro lhe proporciona: créditos no momento da compra dos insumos, e não no momento da venda dos produtos resultantes.

Se as indústrias fossem incluídas na sistemática do IVA puro, físico, perderiam muito fôlego financeiro, pois não têm ICMS–ST para compensar: elas é que cobram o ICMS-ST de seus clientes por ocasião de suas vendas, mas não mantêm em estoque mercadorias com ICMS-ST pago. Para aderir ao IVA puro teriam de estornar os créditos de seus estoques finais, que costumam ser elevados e giram lentamente, de forma que o peso da alteração seria expressivo. O novo critério seria uma severa punição, um forte desestímulo ao setor fabril.

Mas não é só por esse motivo, aparentemente casuístico, que não se lhes deve aplicar o critério. Há outras razões objetivas e lógicas […] Continue lendo