Archive for junho 17th, 2014

junho 17, 2014

A Copa e o Sistema Tributário

edisonf2webpEdison Farah

AspasA.
Diletos Auditores do Brasil,

Ao ler o texto de domingo- 15/06/2014,- com a pátria em chuteiras, do brilhante analista econômico Vinicius Torres Freire, sobre os fatos da hora, a “Copa das Copas”, me assoma uma analogia com outras situações e regras que submetem o povo brasileiro, e que são inexplicavelmente mantidas no regramento jurídico- constitucional desta terra.
Refiro-me ao nosso Sistema Tributário Nacional que, qual a questão dos juízes de futebol, é absolutamente disfuncional.

Porque será disfuncional, e nada se faz e nada se fez através dos tempos, embora permanentemente denunciado por tributaristas sérios, como regressivo, e impeditivo do real desenvolvimento da economia nacional?
Porque não se consegue alterá-lo mediante as modernas técnicas de gestão da coisa pública?

Nós, operários do fisco sabemos, e sofremos, pela vivência diuturna, o quanto é mentiroso, pernicioso, e ignominioso este Sistema, cujo resultado de sua aplicação é, na prática, uma isenção tributária aos setores que efetivamente geram a riqueza.

Um sistema que propicia e favorece a fraude em todos os seus mandamentos.
Então, a pergunta que fica sempre em nós todos é: A quem serve esta disfuncionalidade???
Certamente não é ao povo brasileiro!
Leiam o artigo do Vinicius: “A lógica do ‘juiz ladrão'” (clique aqui)
É elucidativo para muita coisa mais além do futebol.

farah.edison@gmail.com

Ah, em tempo: quando o juiz rouba para nós é ótimo, imagine se tivesse dado o pênalti que não existiu para a Croácia…
Estes juízes são, sem dúvida, os encarregados da efetiva operacionalização nestes mundiais, para fazer correr o script como acertado pelo esquema arquimilionário das Copas da Fifa.AspasF

PERFIL e ARTIGOS de EDISON FARAH

junho 17, 2014

O egocentrismo social e político

viana-sebastiaoSebastião Viana

“Lei de Murici, cada um por si”

Na zona da mata do Estado das Alagoas, distante aproximadamente cinqüenta quilômetros de sua capital, está localizado o município denominado Murici, cidade onde impera a pobreza quase que absoluta, com uma população de aproximadamente vinte e seis mil habitantes, que tem como filho ilustre um dos homens fortes do Congresso Nacional e mais de um terço de sua população sobrevive do bolsa-família, ajuda ofertada pelo governo federal.

Murici foi emancipada com esse nome, assim chamada pelos seus fundadores em 1872, em homenagem à árvore frutífera muricizeiro, nativa da região naquela época. Nessa cidade surgiu a lenda da Lei de Murici nos tempos da Guerra dos Canutos, atribuída ao Coronel Tamarindo, que abandonou sua tropa na tentativa de salvar sua vida e ao ser indagado por um soldado expressou sua resposta nessa frase “Lei de Murici, cada um por si”. Pensando em sentido mais profundo sobre a aplicação prática da lei de murici pode-se ampliar o raciocínio para pensar sobre a ação de fugir, mas, esse  coronel guerreiro, que foi encontrado e morto pelos seus inimigos, estava fazendo sua melhor parte ao decidir tentar fugir da guerra? […] Continue lendo

Tags: