França: Tributação de 75% atinge estrelas do futebol

Hollande não retrocede e diz que os clubes de futebol são iguais às outras empresas

Não há misericórdia possível. O presidente francês reuniu-se com os principais clubes do país, mas continua a recusar eximi-los de passar a pagar 75% de impostos nos rendimentos acima de um milhão de euros em 2013 e 2014, o que deverá atingir 118 jogadores e oito treinadores. O imposto é um duro golpe nos principais clubes, nomeadamente o Paris Saint-Germain, o Marselha, o Lyon e o Mónaco, precisamente os emblemas que mais esforços têm feito para trazerem estrelas para a Liga francesa.

A luta sem classes que os líderes dos clubes estão dispostos a fazer, ameaçando mesmo com uma greve, não impressiona François Hollande, que continua a acenar com a crise e a necessidade de avançar com medidas de austeridade transversais.

Os clubes respondem com a ameaça de “morte do futebol francês” e estão decididos a avançar para uma paralisação total das competições no último fim-de-semana de novembro. Apesar da pressão da oposição e da mídia, Hollande não cede nem um milímetro nesta “contribuição extraordinária de solidariedade“, uma das suas principais promessas eleitorais na campanha de 2012.

A pressão da Comissão Europeia para que a França reduza o déficit público levou ao aumento generalizado de impostos e alimentou um crescente contentamento, como comprovam as últimas sondagens, em que Hollande surge com uma taxa de aprovação inferior a qualquer dos anteriores presidentes […] Leia mais

Leia também:

O Caso Depardieu e a tributação dos super-ricos na América Latina

Exílio fiscal. Depardieu troca de nacionalidade e de alíquota

Uli Hoeness foi preso por evasão fiscal

 

2 Comentários to “França: Tributação de 75% atinge estrelas do futebol”

  1. Lembra do curva de Laffer?

  2. Na teoria da curva de Laffer a arrecadação é zero quando a alíquota é 0% e também quando a alíquota é 100%. No primeiro caso, por definição, e no segundo, por desestímulo do agente econômico, que teria todo o seu esforço entregue ao erário.
    Se bem que Keynes já estudara esse tema ao mencionar as propensões marginais a consumir e a poupar, e fora até mais longe do que a teoria de Laffer, pois esta não leva em conta a propensão a sonegar…
    Outra crítica à curva de Laffer, é que para essa teoria a maximização da arrecadação ocorre com alíquota de 50%, e isto nem sempre é verdade: depende do imposto (alíquota de 50% de IR estimula a fuga de rendas para outras pátrias e pode aviltar a arrecadação em vez de elevá-la; já uma alíquota de 100% de Imp. de Importação pode representar arrecadação expressiva, se o insumo importado for essencial, se indústrias nacionais agregarem mais valor ao insumo, etc). E depende do retorno que o governo dá em obras e serviços públicos, isto é, depende da satisfação do cidadão em relação ao governo, depende da qualidade de vida, etc.
    É aquela história: na prática a teoria de Laffer é outra, embora como modelo teórico seja interessante.
    Quanto à notícia, 75% de IR sobre vencimentos de atletas e clubes explica porque o Lucas anda meio cabisbaixo… Já já os atletas do futebol europeu vão desembarcar aqui no Brasil só para pagar 27,5% de I.R… Vejam como a teoria é furada: depende do salário bruto; às vezes é preferível ficar só com 25% do salário bruto de milhões, a ficar com 70% do salário bruto de merreca…

Deixe uma resposta para Antônio Sérgio Valente Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: