Archive for novembro 30th, 2012

novembro 30, 2012

Assassino de Auditor é condenado a 18 anos de prisão

Auditor baiano foi morto depois de desvendar esquema de sonegação fiscal, chamada “Máfia do Açúcar”

José Raimundo Aras

José Raimundo Aras

Carlos Robério Pereira havia sido contratado pelos comerciantes Alcides Alves de Souza, Carlos Alberto Silva Campos e Francisco de Assis Lima, para executar o Auditor Fiscal José Raimundo Aras, em 1996, que na época investigava um esquema de sonegação de ICMS na região de Juazeiro-Petrolina.

Os jurados decidiram pela condenação do réu-executor a 18 anos de reclusão em regime fechado. O promotor de justiça, Júlio César Lira, requereu a prisão preventiva do acusado com base nos princípios da proibição da proteção deficiente, mas o juiz indeferiu a preventiva e seguiu a jurisprudência.

Na ocasião, o promotor do caso lembrou que a vítima apreendeu um caminhão com cestas básicas que o corréu, Francisco de Assis, usaria na sua campanha de vereador, no ano de 1996. A tese é de que a carga seria usada para compra de votos, em Juazeiro. Com a ausência de dois dos acusados, o júri teve que remarcar a sentença dos 3 mandantes para maio de 2013.

Crime – José Raimundo Aras, que também era sociólogo e fundador da Associação dos Sociólogos do Estado da Bahia (Aseb) foi morto a tiros, depois que desvendou um esquema de sonegação fiscal na compra e venda de açúcar. A chamada “Máfia do Açúcar”, que atuava na divisa entre Bahia e Pernambuco, fraudava o fisco baiano com notas fiscais frias. O Auditor Aras era pai do procurador federal baiano, Vladimir Aras.

IAF comparece e dá apoio a familiares e amigos da vítima […] Leia mais

Leia também:

Após 16 anos, assassinos do auditor baiano serão julgados

novembro 30, 2012

Aposentados podem fazer diferença na política

Contra cortes do governo espanhol, grupo de 1.100 idosos invade Bolsa e bancos, canta, apita e faz tricô

A aposentada Pilar Goytre “invadiu”, em Madri, a secretaria regional de saúde com outros seis “vovôs” (yayos, em espanhol) indignados. Os seguranças do órgão público desceram as grades para evitar que os mais de 50 idosos que formavam parte do combativo grupo, denominado Yayoflautas, também entrassem na repartição. Queriam ser recebidos pelo secretário para entregar uma carta como sinal de protesto pelos recentes ajustes de 7% no orçamento destinado à Saúde, pela privatização de seis hospitais e pela medida que estipulou a cobrança de € 1 por receita médica.

Vestidos com jalecos fluorescentes e com apitos pendurados no pescoço, os “yayos” pretendiam que este fosse mais um de seus protestos relâmpagos e tranquilos, que caracterizam o movimento com 1.100 adeptos em toda a Espanha. O grupo já protagonizou diversas “invasões” pacíficas, entre elas, na Bolsa de Valores e em bancos como Santander e Bankia. Mas acabou durando quase quatro horas.

A satisfação de retomar a militância – Pilar não vive com a corda no pescoço. Recebe uma boa aposentadoria como secretária-executiva, e seu marido exerce um alto cargo numa empresa. Mas vê o empobrecimento de seu país, que, para seguir as imposições europeias, não poupa o Estado de bem-estar social de tesouradas. Ela e suas duas irmãs, Chiruca, de 62 anos, e Adela, de 78, vão juntas aos protestos.

Os Yayoflautas formam um dos muitos movimentos criados desde o surgimento do 15-M. Só nos primeiros seis meses do ano, em Madri, houve 1.165 manifestações. No segundo semestre, a média é de dez protestos por dia […] Leia mais