Archive for agosto 23rd, 2012

agosto 23, 2012

A Transparência da cortina de fumaça — 4ª Parte

Antônio Sérgio Valente

Se seguirmos a linha de raciocínio dos juristas e midiáticos da bisbilhotice, teremos de admitir que todos os cidadãos — servidores públicos ou não — que recebem recursos hauridos do público devem ser obrigados a tornar públicos os seus holerites. Não só os que trabalham para entes governamentais e empresas que vendem e prestam serviços para o governo (empreiteiras, fornecedores, etc), mas também os autônomos, artistas, atletas, advogados, publicitários, metalúrgicos, empresários, enfim, todos que recebem recursos oriundos do governo, e também todos os que auferem de empresas que os repassam, juntamente com os tributos, através dos preços, para o público. Afinal, a fonte de todos os recursos é sempre o público, e os vasos do sistema econômico da sociedade são intercomunicantes, eis que sobre remunerações e despesas incidem tributos, que são recursos públicos por excelência. De modo que se a ilação vale para o servidor deve valer também para os demais cidadãos, pois todos são iguais perante a lei (art. 5º, caput, da CF).

É a esse porto que se chega com aquele raciocínio. Mas será que é a esse porto de vidro que a sociedade quer chegar? Será que o Brasil sonha mesmo com essa transparência? Será que essa casa sem paredes alavanca o desenvolvimento? Ou será que só incentiva a bisbilhotice e a violência? Por outro lado, será que isso é de fato transparência? Vejamos com outro olhar. Admitamos que se alterasse a CF para permitir a discriminação do servidor. Será que isso resolveria os problemas de má gestão orçamentária? Será que estão aí, nos servidores concursados, nos que atendem as demandas da sociedade, os furos da tubulação? Ou será que essa suposta transparência não passa de mera cortina de fumaça a impedir que se veja onde de fato estão os vazamentos? […] Leia a crônica completa

agosto 23, 2012

Sindicato distribui pizza

Policiais federais em greve distribuem pizza em frente à superintendência, em Porto Alegre

A ação é realizada no lugar das operações-padrão, proibidas pelo Superior Tribunal de Justiça. Em greve desde o início do mês, reivindicando melhores condições de trabalho, organizados pelo sindicato da categoria, os agentes distribuíram pedaços de pizza em frente ao prédio da Superintendência da Polícia Federal (PF) no Rio Grande do Sul, localizado na Avenida Ipiranga, em Porto Alegre. Segundo o vice-presidente do sindicato, Ubiratan Antunes Sanderson, a manifestação tem a intenção de chamar atenção para o julgamento do mensalão:

Mais de 60 policias se dedicaram, arduamente, por cerca de dois anos em investigações que levaram à criação deste processo. Infelizmente, esse trabalho todo deve acabar em pizza

Entre as reivindicações dos policiais estão o reajuste dos salários após seis anos sem correção, a criação de um plano de carreira, a reposição do efetivo que, de acordo com Sanderson, tem uma defasagem de 600 homens no estado, além da recomposição do orçamento da instituição. A manifestação prosseguiu no aeroporto da Capital, com panfletagem a fim de prestar esclarecimentos sobre o movimento […] Leia mais