O Regresso de Robin Hood

Luis Moreno*

Passaram-se 40 anos desde que James Tobin, em 1971, propôs um imposto sobre transações financeiras (ITF), como uma alternativa para combater a especulação dos grandes fluxos de capital financeiro a nível mundial. Hoje em dia, esse imposto, amplamente debatido, criticado, aplaudido e rebatizado como o imposto Robin Hood, em alusão ao personagem histórico que tirava dos ricos par dar ao pobres, é tecnicamente factível e viável, de acordo com numerosos estudos e informes internacionais. Por exemplo, a Comissão de Técnicos sobre as reformas do Sistema Monetário e Financeiro Internacional (“Comissão Stiglitz”) das Nações Unidas, propôs uma taxa de serviços financeiros como ferramenta para dar estabilidade e sustentabilidade ao financiamento do desenvolvimento e, de outro lado, contribuir para estabilizar os mercados.

Finalmente as proposta  do imposto sobre transações financeiras chegou este ano (2011) à Sexta Cúpula do Grupo dos Vinte (G20), realizada em Cannes, França, das mãos do (então) presidente francês Nicolas Sarkozi e da chanceler alemã Ângela Merkel, gerando muita expectativa por parte das organizações sociais, de intelectuais e até das pessoas mais ricas do planeta, já que foi a primeira vez que o G20 tomaria uma decisão a respeito de um imposto global.

Leia também: El retorno de Robin Hood

*Economista peruano da Rede Latinoamericana sobre Dívida, Desenvolvimento e Direitos – Latindadd

Tags:

PARTICIPE, deixando sua opinião sobre o post:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: