Archive for janeiro 3rd, 2012

janeiro 3, 2012

Sobre mísseis e guerras

Irã ameaça “tomar medidas” se porta-aviões dos EUA cruzar Estreito de Ormuz
Em momento de crescente tensão no Oriente Médio, chefe do Exército do Irã afirmou que Teerã “só avisará uma vez”

Com este tipo de manchete os órgãos de imprensa noticiaram a “tensão” entre Irã e Estados Unidos. Este episódio que acontece no Oriente Médio nos remete ao nosso mundo sindical. Alguns querem impor a sua convicção e seus “ideais”, ou ideologia política, aos outros mesmo que seja sem o natural processo de convencimento. E, pior, sem querer ouvir a opinião e votar as questões soberanamente em Assembleia Geral. Passamos o ano com uma AGE exclusiva para a reforma do Estatuto e outra regional para votar apenas, visto que no modelo adotado não há como modificar ou ampliar a pauta. No apagar das luzes, eis que surge a “corrida” ao PLO, mais como álibi para contestar a proposta na mesa para o fim da FuBá. No final dessa “estratégia”, nem uma coisa nem outra.

Não fosse suficiente, agora é a hora de jogar a culpa na categoria que não tem postura e se dobra facilmente. Fica a nítida impressão que a democracia existe somente nas horas em que ela conta em favor próprio. Vamos lançar “mísseis”, fechar a Avenida, com a postura de um Ahmadinejad. Oras, se a categoria não tem um grau de politização suficiente, por que é que o sindicato não promove essa formação política e de lideranças?

Aparentemente, apesar de suas atitudes e discurso desafiadores, o Irã entende que não tem como competir militar e economicamente contra uma coalizão liderada por Estados Unidos e União Europeia. É por isso que, ao mesmo tempo em que faz exercícios militares e ameaças aos Estados Unidos, mantém aberta a possibilidade de retomar as negociações diplomáticas

Se até Ahmadinejad tem bom senso…

TeoFranco

janeiro 3, 2012

Alckmin: sem aumento para servidores em 2012

Para 2012, ano de eleições municipais, os tucanos precisarão melhorar sua “imagem”. O secretário da Fazenda promete que os investimentos do governo voltarão a crescer e que atingirão R$ 80 bilhões no fim dos quatro anos de mandato. Parece pura demagogia. Ele não explica de onde sairá este dinheiro. A Folha especula que os recursos deverão sair docongelamento dos salários dos servidores e de novos cortes nos gastos com o custeio. O governador, confessou que o seu primeiro ano de gestão foi um desastre para os paulistas. Ele reuniu a sua equipe para fazer um balanço de 2011 e deu uma “bronca nos seus secretários”.

O governador fez cobranças a todo o primeiro escalão de seu governo, em reunião na qual pediu aos secretários um balanço do primeiro ano de gestão. O encontro aconteceu no Palácio dos Bandeirantes e durou cerca de três horas. O recado ao secretariado foi duro”. Para Alckmin, o principal problema do governo tucano é de “comunicação” […]Leia mais

Leia também:

Alckmin estuda congelamento de gastos em 2012

Alckmin arrecada mais, mas investe menos

janeiro 3, 2012

Autonomia do Fisco II

Gustavo Theodoro

Nos últimos anos foi a autoridade política se imiscuindo nos assuntos técnicos, impondo a adoção de um programa de sorteios – a Nota Fiscal Paulista (NFP) –, aumentando o rol de produtos sujeitos à substituição tributária e concedendo benefícios específicos, muitas vezes à revelia do CONFAZ, a setores e a empresas privadas. Tudo isto foi feito sem consulta ao corpo técnico fiscal, que ainda recebeu o ônus de implantar os programas acima sem qualquer planejamento. Com isso, ferramentas e programas necessários à fiscalização – como, por exemplo, as ferramentas para lidar com as escriturações fiscal e contábil – não foram desenvolvidas. São muitas as explicações para que a classe dos AFRs tenha manifestado pouca reação às investidas governamentais. Há na Secretaria da Fazenda uma cultura de comportamentos baseados em autoridade e hierarquia, ambos muito valorizados ainda hoje, mesmo com a mudança do mundo que nos cerca. (…) tarefas simples, incompatíveis com a capacidade e o preparo do corpo técnico, continuavam sendo executadas pelos AFRs. Temos um corpo técnico de excelente nível. E temos em nossa alçada muitas tarefas irrelevantes, simples e repetitivas. Segundo Estobeu, “a felicidade consiste em exercer as próprias virtudes em trabalhos que atingem os resultados desejados“. Nesse tipo de trabalho, nem se exercem virtudes nem se atingem resultados. Em parte, isto foi resultado da política de redução do quadro dos servidores de apoio, que tiveram sua carreira desmontada pelo Governo […] Leia a segunda parte da série*

*Requer senha

Tags: