Archive for dezembro 28th, 2011

dezembro 28, 2011

Sindicato no Brasil virou negócio

Entidades sindicais não representa ninguém e existe apenas para embolsar o imposto pago pelos contribuintes. Nem reforma política, nem reforma tributária, a reforma mais urgente hoje no Brasil é a sindical

Para o presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro João Oreste Dalazen, a estrutura sindical no Brasil é falha, viciada e atrasada. Em entrevista concedida ao jornalista Paulo Celso Pereira, da revista Veja, Dalazen criticou a demora do Brasil em ratificar a convenção 87 da Organização Internacional do Trabalho, que trata da liberdade sindical. “Nosso país está entre os poucos de economia capitalista que ainda não o fizeram”, afirmou.

Do modelo sindical vigente, o ministro também criticou a forma como as entidades geram receita.

Eles [os sindicatos] são criados, na maioria, não para representar as categorias, mas com os olhos na receita auferida pela contribuição sindical, que é uma excrescência. É dinheiro público transferido para entidades sindicais que o gastam sem prestar contas.” Por isso, define o modelo brasileiro como “sombrio”

Dalazen, aos 58 anos, está perto de completar seu primeiro ano na presidência do TST. Lá, orgulha-se da celeridade da resolução dos conflitos trabalhistas pelo tribunal, mas não deixa de lamentar a demora na execução das decisões – gargalo que afeta todo o Judiciário brasileiro […] Leia a íntegra da entrevista

dezembro 28, 2011

Com um pássaro na mão, preferimos dois voando…

Prezados,

A nossa direção sindical tutelou a categoria e escolheu (por ela) arriscar a proposta de extinção da Função Básica. Surpreendeu pela NÃO convocação de AGE para debater a questão. O nosso placar neste final de ano é negativo. Não pelo fato de nenhuma das reivindicações (estas sim) aprovadas em AGE terem sido alcançadas, mas por ter uma proposta concreta e ter sido ignorada ou pior, esnobada pela direção sindical.

ENQUANTO ISSO EM OUTROS ESTADOS…

…o ano encerra com, pelo menos, duas figuras de destaque na carreira fiscal, por sua determinação, planejamento e foco em objetivos definidos.

Um, foi o colega do Pará, Charles Alcantara que priorizou a Lei Orgânica e conseguiu motivar toda a categoria que teve como resultado a aprovação da mesma dias atrás.

Outro, foi o colega de Rondônia, Francisco Barroso que não se conformou com o desvio do dinheiro público através da aprovação de lei pela Assembleia Legislativa, de interesse escuso do governador. Moveu tudo o que pode, desde associação de prefeitos, Tribunal de Contas até o Ministério Público. Tudo isso culminou na suspensão da abjeta isenção por ordem da Justiça.

O BLOG do AFR esteve ao lado deste “cavaleiro solitário” divulgando cada passo aos inúmeros agentes fiscais, leitores do Blog. Vários colegas se solidarizaram enviando mensagem de incentivo ao Chico de Rondônia, porém, vimos pouquíssimos sindicatos, nem mesmo a Fenafisco, divulgar um manifesto em apoio a atitude de um servidor público em defesa do bem público. Nos falta um mínimo de indignação, mais conscientização e despertamento do nosso real papel de cidadão, e, mais ainda, de guardiães do erário.

Boa inspiração para 2012, seria, como bem propôs o nosso colega Roberto Bianchi, de termos a humildade, de convidar (via Sinafresp) estes (e outros notáveis) colegas para aprendermos um pouco com eles, além de um vigoroso Projeto de Formação de Liderança Sindical. Caso contrário, continuaremos, na próxima gestão com mais amadorismo e improviso. Precisamos de um mínimo de coordenação, de gestão e trabalho em equipe. Ainda mais pela notícia de que Alckmin estuda congelamento de gastos em 2012

TeoFranco 

Leia mais:

Sindicato assume ter recusado proposta de extinção da FuBá

E a Lei Orgânica do Fisco paulista?

LESA RONDÔNIA – O golpe de 1 bilhão e o Chico

Projeto de Formação de Liderança Sindical

dezembro 28, 2011

Líder sindical, imprensa e opinião pública

Edison Farah

AFRs e Auditores do Brasil, abaixo temos um exemplo de uma presidente de sindicato que sabe responder à propaganda marqueteira e mentirosa com classe, sem medo ou subserviência. Quando digo que o PSDB desestruturou e desestrutura, aviltou e avilta o agente publico, não estou fazendo política partidária, mas assinalando a verdade dos fatos.

Sempre que ocupa o poder o PSDB  desmonta o funcionalismo. Em São Paulo tem sido assim desde 1994, com  a polícia, com os professores, com os agentes de saúde, com os servidores do judiciário, CONOSCO!!!  

Quem desmente???

Vejam o texto de hoje na Folha  da presidente do APEOSP:

Todos reconhecem a desvalorização dos professores da rede estadual. Ela se agravou com uma lei de 1997 que achatou a escala salarial, reduziu as possibilidades de evolução, causou sérios prejuízos aos aposentados e provocou perdas salariais da ordem de 36,74% […] Leia o artigo completo de MARIA IZABEL AZEVEDO NORONHA da presidente da APEOESP publicado na Folha de S.Paulo
Leia também: