Archive for novembro 14th, 2011

novembro 14, 2011

Fábula do Índio III – Moedinhas

HUMOR SINDICAL

No episódio anterior a tribo havia decidido ampliar os dias de subidinha de 15 minutos na árvore. Como resultado, chegou a proposta de trégua em troca de FuBá.

O poderoso Rei presenteou outras tribos menos temidas, o que trouxe grande encorajamento aos índios. Sabendo que o soberano, possuidor de um grande tesouro, passaria em comitiva às margens do grande rio, permaneceram ali para poderem se aproximar e fazer os seus pleitos. Com estratégia decidiram pedir do seu tesouro fosse destinado 6 moedinhas para cada índio daquela importante tribo, certos de um magnífico negócio.

Índio é muito esquisito…

Leia também: 

Sinafresp entrega ofício ao governador, sem PEC

Fábula do índio II – A revolta

Tags:
novembro 14, 2011

Nota Fiscal Paulista — 2ª Parte

Antônio Sérgio Valente

Big Brother – O pré-requisito de inserir o CPF no documento fiscal causa muita polêmica. O argumento dos que se sentem incomodados já foi rebatido pelos defensores da NF Paulista com duas contraditas contestáveis. A primeira foi uma admissão pública da Lei de Gerson: CPF na NF representa dinheiro a mais no bolso, e quem não gosta de levar vantagem em tudo? Já foi replicada, a priori, no artigo anterior, no tópico Razões Deontológicas. A segunda, para dizer o mínimo, foi muito deselegante: quem pensa assim ou é sonegador ou marginal, tem dinheiro sem origem e por isso não quer ou não pode declarar o CPF. É desta que trataremos agora. Quando George Orwell, em 1948, lançou o romance 1984, no qual criou a expressão Big Brother, ao imaginar um futuro quase sem privacidade, com vigilância total do indivíduo por parte do Estado, fez não apenas um exercício de futurologia, mas sobretudo uma severa crítica à opressão dos regimes totalitários, que agiam mediante o emprego de táticas que levavam à repressão e ao medo, pregavam o denuncismo contra adversários ideológicos, por parte de vizinhos, colegas de trabalho, amigos e até mesmo parentes, todos os cidadãos deviam pensar com a cabeça dominante do governo, e a implacável Polícia do Pensamento devia saber de tudo; o indivíduo era reduzido a marionete e serviçal do Estado, o controlador total […] Leia a segunda parte da série