Archive for setembro 19th, 2011

setembro 19, 2011

Reforma da Previdência Pública…

… e Previdência Complementar

Os trabalhadores do setor público e a Previdência Social no nosso país se tornaram alvo de ataques ferozes nos governos de FHC e Lula. Dilma segue o mesmo caminho, pretende dar sequência à reforma da previdência pública, aprovando o PL 1992/2007 que institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de cargo efetivo.
Veja uma abordagem sobre o PL 1992/2007 – e a pressão pela regulamentação – da previdência complementar, com a instituição dos fundos de pensão.

O PL 1992/07, que atualmente tramita na Câmara dos Deputados, trará prejuízos enormes aos servidores públicos, ao fragilizar ainda mais a previdência pública. As associações de classe estão fazendo pressão em Brasília para barrá-lo. Prioridade do Executivo, o projeto está recheado de maldades: institui o regime de previdência complementar; limita a concessão de aposentadorias e pensões pagos pelo regime de previdência próprio ao limite máximo dos benefícios pagos pelo Regime Geral de Previdência Social (RGPS); e autoriza a criação de entidade fechada de previdência complementar, aFundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal (FUNPRESP)

Saiba tudo no Encarte especial do boletim do Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no RS (SINTRAJUFE)

setembro 19, 2011

A (im)prensa sobre a previdência do servidor

Nesta segunda-feira (19), mais uma vez, o Estadão dá destaque ao tema mostrando apenas um lado da problemática, com o artigo A previdência dos Estados, onde destacamos:

O déficit do regime de previdência dos Estados alcançou R$ 31 bilhões em 2010, com aumento de 15% em relação a 2009. Esses dados impressionam o contribuinte, que tem de arcar com a conta, mas ainda parecem insuficientes para preocupar os governos estaduais. Apesar do rápido crescimento do déficit previdenciário, que precisa ser contido para evitar o desequilíbrio estrutural de suas finanças, os governos não estão agindo para combatê-lo. Para isso, eles precisariam criar um fundo de previdência complementar que substitua o atual regime de benefício definido pelo regime de contribuição definida, como o que vigora para o trabalhador da iniciativa privada, mas muito poucos estão tentando fazer isso”

O jornal fala em nome dos contribuintes (impressionados), mas esquece de abordar outros aspectos fundamentais, tais como, sobre o patrimônio constituído pelas contribuições que os servidores efetuaram por longos anos, muito menos da má gestão por parte dos governantes, gestão esta, que esta essencialmente ligada ao chamado “rombo”. Em consequência disso, são os próprios servidores que arcarão com recolhimentos cada vez maiores. Mas isto não interessa (?) aos leitores (do Estadão)…

Leia também:

Previdência do Servidor Público paulista tem R$ 7,7 bilhões de rombo

Alckmin quer teto de servidor igual ao do INSS

Alerta – PL 1992

Crise na Previdênci [João Francisco Neto]

Volta a baila a questão da Previdência II