Archive for setembro 13th, 2011

setembro 13, 2011

Assédio Moral

A Justiça vem sendo rigorosa nas ações de assédio moral, responsabilizando as empresas que nada fazem para impedir humilhações sofridas pelos funcionários. No ano passado, a Justiça do Trabalho julgou 656 processos sobre o tema, muito deles pelo chamado assédio moral hierárquico, pelo qual, quem ocupa o cargo de chefia promove terrorismo psicológico ou expõe ao ridículo seus subordinados. São consideradas práticas de assédio moral:
1 – Marcar tarefas com prazos impossíveis;
2 – Mudar alguém de uma área de responsabilidade para funções triviais;
3 – Apropriar-se de ideia alheia;
4 – Ignorar ou excluir funcionário só se dirigindo a ele por meio de terceiros;
5 – Sonegar informações de forma reiterada;
6 – Espalhar rumores maliciosos;
7 – Criticar com persistência;
8 – Subestimar esforços;
9 – Determinar atribuições incompatíveis com o cargo;
10 – Sonegar trabalho ao funcionário.
Jornal Valor, de 5/9/2011

Comentário do Consultor*: A notícia acima é pertinente às empresas, mas, infelizmente, o assédio moral ocorre também nas repartições públicas. As práticas mencionadas de assédio moral não são incomuns no serviço público, entre elas a de mandar servidor executar serviços incompatíveis ao seu cargo, ou mandar Fiscal, por exemplo, atuar em serviços outros que nada tem a ver com a fiscalização. Aliás, ano que vem é típico para tal prática – “Esconda a fiscalização em ano de eleição”. *Roberto Tauil – Consultor Municipal rtauil@consultormunicipal.adv.br

setembro 13, 2011

Previdência do Servidor Público paulista tem R$ 7,7 bilhões de rombo

Mais uma vez o Estadão de hoje (13) traz a notícia de uma forma simplista e limitada:

As despesas com pensões e aposentadorias chegaram a R$ 15,167 bilhões, valor bem superior à arrecadação de contribuições dos trabalhadores (R$ 7,449 bilhões). Em dezembro de 2010, o Estado de São Paulo tinha 407.186 inativos e pensionistas em sua folha de pagamento”

Preparando a opinião pública para apoiar a aprovação do projeto de lei que altera o regime previdenciário do estado – que utilizará o teto do regime geral da Previdência como valor máximo para o pagamento da aposentadoria a seus servidores. O projeto foi encaminhado por Alckmin, no dia 31 de agosto a Assembléia Legislativa de São Paulo. Para justificar o rombo, faz-se um cotejamento entre bases correntes (arrecadação X pagamentos). Nunca se fala do patrimônio constituído pelas contribuições que o servidor efetuou ao longo de anos e anosO texto não fala que o maior prejudicado, com a má gestão, são os próprios servidores que, em virtude disso, terão de recolher cada vez mais.

Equipe de redação – BLOGdoAFR.com

Leia também:

Alckmin quer teto de servidor igual ao do INSS

Alerta – PL 1992

Crise na Previdência

Volta a baila a questão da Previdência II

setembro 13, 2011

Robin Hood às Avessas – Parte III

E o pior é que esse tipo de distorção beneficia os varejistas que operam com margens maiores, que atendem a públicos mais abastados, os clientes de alta classe. É profundamente injusto, pois não podemos esquecer que os custos tributários entram na composição dos preços. Se a Fazenda tributa um lojista de shopping center sobre uma margem, por exemplo, de 100%, quando deveria tributar pela de 200%, o custo tributário desse lojista abaixa e quem se beneficia, em parte, é o consumidor que compra no shopping, e em outra parte, o próprio lojista. Ou seja, a classe mais abastada, que deveria pagar, por justiça fiscal, mais do que a classe mais carente, acaba pagando menos. A Substituição Tributária, neste caso, faz exatamente o oposto do que devia fazer: cobra mais do mais pobre, e menos do mais endinheirado. É o retrato mais escrachado do Robin Hood às Avessas desta série […] Leia mais