Archive for fevereiro 1st, 2011

fevereiro 1, 2011

Protegido: Casa Grande & Senzala x Participação

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

fevereiro 1, 2011

Ouvidoria para satisfação do cliente

Quando surgem situações não resolvidas pelas instâncias normais de atendimento, seja por falhas ou por falta de autonomia destas, a ouvidoria entra em ação para solucionar essas situações com o objetivo de manter a satisfação dos clientes.

Esta é a principal função de uma ouvidoria, conforme indica o conferencista e consultor em comunicação e relacionamento com clientes, Alberto Centurião.

Em entrevista ao Baguete Diário, o especialista fala sobre os benefícios que uma ouvidoria pode trazer para a empresa e os principais passos para sua instalação.

http://www.baguete.com.br/entrevistas/14/06/2010/ouvidoria-sua-empresa-precisa-de-uma-0

fevereiro 1, 2011

O conceito de time nas organizações

Relembrando o conceito de time.

Muitas organizações dizem com orgulho que possuem um time forte, um time unido, um time vencedor. Isso é muito importante, mas para entender melhor o conceito de time, é preciso começar entendendo de onde veio a palavra “time”. Ela existe há séculos e no extinto idioma indo-europeu, significava puxar.

Por isso, em sua origem, a palavra era aplicada apenas aos bois, que puxavam os arados. Evidentemente, para que o time de bois funcionasse bem, todos os bois tinham que puxar ao mesmo tempo, na mesma direção e com a mesma força. Naquela época, os bois que demonstravam ter mais disposição que seus companheiros, acabavam atrapalhando o time e viravam churrasco.

Foi só no século 16 que a palavra “time” começou a ser aplicada também a seres humanos que executavam um trabalho em conjunto. E bem depressa, os proprietários de times humanos perceberam que teriam que lidar com uma nova variável: o talento.

Todo time sempre tem alguém que é mais talentoso do que o resto. E, não por acaso, no século 19, os ingleses passaram a chamar as suas equipes de futebol de times. Porque os times, para serem vencedores, precisavam de jogadores esforçados e disciplinados, que garantiam os bons resultados, mas não podiam prescindir dos talentos, que corriam menos e não gostavam de receber ordens, mas podiam resolver um jogo com uma jogada criativa e inesperada. Os melhores times da história, tanto no futebol quanto nas empresas, são os que conseguiram achar um lugar para o talento, e dar a ele, ocasionalmente, a chance de brilhar sozinho.

Por isso, quando um chefe diz orgulhoso: “nós temos um time unido”, é preciso saber em que século ele está pensando. Se no século 16, quando os talentos eram desprezados e todo mundo era obrigado a ser igual, ou se no século 21, quando os poucos que se destacam por seu talento são reconhecidos e incentivados.

Max Gehringer, para CBN

Tags: