março 31, 2014

D E S T A Q U E S

Reforma Tributária Urgente 5 – Guerra Fiscal

Antônio Sérgio Valente (SP)

O Fisco violado e a cidadania ameaçada

Servidor sofre represália por denunciar ao MP

Justiça que Tarda

Gustavo Theodoro (SP)

Concursos públicos: novos tempos

João Francisco Neto (SP)

Algozes da cidadania…

Francisco das Chagas Barroso (RO)

Concurseiro – da depressão à euforia

Livro do AFR Igor Nardelli: As 27 Lições…

PR 4.º Trim/2013 - requer senha

Planilha de cálculo c/ opção p/ 1ª Turma 2013)

Direitos Humanos e Crime Organizado

Sebastião Amaro Viana Filho (SP)

Picando Fumo XV – Nóis tá na roça… (humor)

…e a bençoada da assembréia do sindicatu…

IR: ação contra limite de gastos com educação

Filiados do Sindifisco Nacional poderão deduzir…

Discurso de posse – 2ª turma 2013

Assista ao SlideShow da cerimônia com áudio

Desabafo pela união

AFR divulga manifesto sobre as lideranças…

Ebook – O ICMS para as prefeituras

Cartas do Fiscal nº 6 - IPM 2003/2013

Superman na malha fina da Receita

História em quadrinhos. Ed. 148 da revista

2013 Blog in review

310.000 acessos somente neste ano

Revisão do subteto paulista é rejeitada

Assista ao vídeo

Fingimento irresponsável

Antonio C. Moura Campos (SP)

Estado e Desigualdade

Dão Real Pereira dos Santos (RS)

Promoção por merecimento 2011

Baixe a listagem completa (incluindo Nível II)

Comunicação é meio de disputa de poder

Charles Alcantara (PA)

Tributo é bem ou mal?

João Batista Mezzomo (RS)

Auditor fiscal, fator de justiça social

Gilvan David (GO)

Tudo que a administração toca vira meta

Carlos H. Peixoto (MG)

O ralo da corrupção

Vilson Antonio Romero (RS)

Os ralos do dinheiro público…

Clair Maria Hickmann (SP)

Fábula do Índio XX -Sindi-mensalidade

Índio é muito esquisito (humor)

Sefaz SP – Quadro de vagas e funções

Portaria CAT 96 – distribuição nas unidades

Não somos culpados meu Rei

Amadeu Robson Cordeiro (PB)

TJ: Adicionais devem incluir VPNI no cálculo

Correção para quinquênios e sexta-parte

Priorização da PEC 186/07

Glauco dos Santos Gouvêa (PB)

O sigilo fiscal e a transparência tributária

Prof. Eurico Marcos Diniz de Santi (FGV)

A Remuneração do Fisco. Nível Básico e Teto

Análise inédita dos fiscos estaduais. Requer senha

Remuneração dos magistrados paulistas

Saiba a remuneração e demais vantagens

EC 47/2005 – Aposentadorias X nomeações

Escalada de aposentadorias aumenta em 2014/15

Choque de gestão e o estado de exceção em Minas

João Batista Soares (MG)

abril 17, 2014

TCE: USP pagou acima do teto

Reitor e 166 professores tiveram remunerações acima do teto constitucional

Investigação do Tribunal de Contas do Estado aponta que recebiam acima do limite constitucional (subsídio do governador) o então reitor, João Grandino Rodas (R$ 23 mil), e o atual reitor, Marco Antonio Zago (R$ 24 mil), que na época era pró-reitor.

Em 2008 as contas já haviam sido rejeitadas pelo órgão por causa dos salários. A Universidade de São Paulo, que enfrenta uma crise financeira por comprometer 100% de seu orçamento com folha de pessoal, discorda da lógica utilizada pelo tribunal para estipular o teto e afirma que cortes já foram feitos.

A USP não divulga os salários de seus servidores, já tendo recusado pedidos feitos a partir da Lei de Acesso à Informação

O tribunal exige que, atingido o teto por meio dos benefícios da carreira, a remuneração pare de subir. Rodas, reitor à frente da universidade à época, foi multado em R$ 40 mil. O tribunal determinou também que a USP ajuste os vencimentos ao teto. Cabe recurso de todas as decisões [...] Saiba mais

Assista ao vídeo:

videoplay

Leia também:

Nova PEC do Subteto para carreiras de auditoria

Campinas suspende 53 supersalários

Defensor de SP terá mesmo teto do STF

Revisão do subteto paulista é rejeitada

abril 16, 2014

Concurso: Receita Federal tem 246 candidatos/vaga

ESAF registra 68.540 inscrições para 278 vagas de Auditor Fiscal

Os números relativos à concorrência são bem maiores que os registrados no último concurso para o cargo, promovido em 2012. Isso pode ser explicado pelo fato desta ser a primeira vez em mais de 15 anos que é aberta seleção apenas para auditor, não havendo oportunidade para o cargo de analista-tributário, que também integra a carreira de auditoria da Receita Federal.

Em 2012, houve 26.313 inscritos para 200 vagas de auditor (132 candidato/vaga) e 93.692 para 750 vagas (candidato/vaga) de analista. O percentual de abstenção foi de 46% para auditor e de 42% para analista.

As avaliações serão aplicadas em todas as capitais, com os locais sendo informados a partir do dia 7 do próximo mês, no site da Esaf (organizadora). O concurso terá validade de seis meses, podendo dobrar, período no qual o número de vagas poderá chegar a pelo menos 417 (incluindo as 139 correspondentes aos 50% sobre o número original de vagas, como permite a legislação), desde que haja autorização do governo [...] Saiba mais

Leia também:

Edital: Concurso Auditor da Receita Federal

Esaf convoca excedentes para escolha de vaga

Receita Federal já negocia novos concursos

Suspeita de fraude em concurso da Receita Federal

Tags:
abril 15, 2014

Reforma Tributária Urgente

5ª Parte — Guerra Fiscal

valenteAntônio Sérgio Valente

Nos artigos anteriores, vimos que a maioria das modalidades ilegais de evasão, embora continuem na praça, vêm perdendo participação no total dos vazamentos tributários, em face da concorrência com formas mais recentes de evasão, mormente na última década. Dentre estas, seguramente a guerra fiscal é das mais relevantes.

Guerra Fiscal

evasão estimulada pelos próprios entes federativos, também conhecida como guerra fiscal, foi largamente ampliada. Ocorre quando, sem autorização do CONFAZ, certa UF concede uma redução de alíquota ou base de cálculo, um crédito outorgado, um financiamento do tributo a perder de vista, enfim, alguma forma de desoneração. Tudo para atrair empresas de outras regiões. Ainda que os migrantes percam escalas econômicas, elevem custos de logística, passem a operar com menor produtividade, o incentivo tributário em muitos casos funciona como uma boa compensação.

Em geral, essa opção é exercida à luz do dia, como se não houvesse nenhum óbice legal, como se o mercado tributário fosse livre, embora por lei não o seja, e embora haja situações, e não são poucas, em que o contribuinte chega a simular o processo de fabricação alhures, no todo ou em parte. É como se tudo valesse a pena, quando a vantagem tributária não é pequena — numa paródia de Fernando Pessoa [...] Continue lendo

abril 14, 2014

TEFE’s participam da reunião dos Delegados Regionais

sitesp-drtMobilização: técnicos pedem apoio da CAT ao nível superior para a carreira

O SITESP, representado por seu presidente Mauro de Campos, fez apresentação na reunião de delegados tributários, realizada em São José do Rio Preto (SP).

AspasATrabalhando pela valorização da classe dos Técnicos da Fazenda Estadual e, assim, vem apresentando diversas propostas para a reconfiguração do cargo [...] Entendemos assim que os TEFES estão nessa linha do tempo exercendo atividades que requerem maiores níveis de compreensão, conhecimento e vêm agregando e aplicando essas novas ferramentas de trabalho. 

Considerando a compreensão e uso dessas novas tecnologias para o exercício do cargo, o TEFE vem se constituindo um profissional qualificado a exercer atividades que requerem maiores graus de complexidade e responsabilidades

Por todo o exposto, visando aumento das potencialidades dos níveis de eficiência, faz-se necessário a ampliação dos investimentos na carreira através de uma remuneração condizente com as atividades e atribuições exercidas a partir da exigência do diploma de nível superior para ingresso na carreira, pelo que, solicitamos o apoio da CAT [...] Saiba mais

AspasF

Leia também:

PLC 50/2012 – Sitesp se reúne com Sefaz Adjunto

TEFE’s recebem alta cúpula da Sefaz

Técnicos fazendários pressionam Calabi

Folha de S.Paulo cita resposta dos Técnicos Fazendários

 

abril 13, 2014

Greve da PF corre risco de retaliação

O ardil foi denunciado por um técnico do governo e confirmado pelo presidente do sindicato

Policiais federais de todo o país paralisaram mais uma vez as atividades, ao longo de todo o dia, na última terça-feira (8). As sucessivas greves, da única categoria que não aceitou o reajuste de 15,8%, em três parcelas [negociado em 2012], estaria, segundo boatos, incomodando o governo. O mal-estar teria causado uma reação articulada entre o Ministério da Justiça e o do Planejamento para calar os protestos: baixar a exigência [de formação educacional] para acesso à Polícia Federal, com o intuito de reduzir o impacto no orçamento com a folha de salários, e banir as propostas de reestruturação de carreira e recomposição inflacionária. A estratégia seria passar a estabelecer escolaridade de segundo grau em concursos para cargos de agentes, escrivães e papiloscopistas. E colocar em extinção os atuais cargos, com servidores de nível superior.

O ardil foi denunciado por um técnico do governo e confirmado pelo presidente do Sindicato dos Policiais Federais (Sindipol-DF), Flavio Werneck. “Isso chegou a ser ventilado, sim. E em tom de ameaça. Nos assustou. Seria o cúmulo do absurdo em um governo democrático. Estamos com salários congelados desde 2006. Temos direito de reivindicar”, destacou Werneck. Após a greve de 70 dias, em 2012, os policiais prepararam vários protestos criativos: usaram mordaça, fizeram algemaço, desfilaram com elefantes brancos e deitados em uma maca, para demonstrar que a Polícia Federal está enferma [...] Saiba mais

Leia também:

Auditores federais também voltam atrás pelos 15,8%

Servidores do Banco Central voltam atrás pelos 15,8%

Governo propõe reajuste de 15,8%

Governo reabre diálogo com os “sangue-azuis”

abril 12, 2014

PEC 555 – A pedra no sapato…

Carlos Cardoso Filho*

A cobrança da contribuição previdenciária dos servidores aposentados se mostra um desconforto geral

A Proposta de Emenda à Constituição Federal – PEC nº 555/2006 visa a acabar, de modo gradativo, com a contribuição previdenciária atualmente cobrada dos servidores públicos aposentados e pensionistas. Essa cobrança nunca coube no ordenamento jurídico brasileiro, na medida em que a sua análise de constitucionalidade precisou contar com argumentação de fundo predominantemente financista e deixou sérios arranhões em um dos importantes pilares de sustentação da segurança jurídica de um Estado de Direito: o direito adquirido.

A arrecadação total com a contribuição previdenciária incidente sobre os proventos de aposentados e pensionistas representa pouquíssima receita para a previdência, que gasta muito mais com renúncia fiscal. É o que revelam os números do exercício de 2012, quando as receitas previdenciárias (RGPS) somaram mais de R$ 278 bilhões, enquanto o valor arrecadado, sacrificando aposentados e pensionistas, foi apenas R$ 2,2 bilhões. Ou seja, o que é pago pelos aposentados e pensionistas do Brasil, submetendo-lhes a restrições orçamentárias e até sacrifícios, representa somente 0,8% do total que arrecada a previdência.

Quando se compara a arrecadação dessas contribuições com o que é dispensado de receita por conta da renúncia fiscal (desonerações tributárias, através de isenções e incentivos concedidos a setores e empresas), o custo social de manter a atual cobrança se mostra bastante injusto para com os servidores que sofrem com o desconto da contribuição. Só no ano de 2012, o valor total da renúncia fiscal montou em R$ 24,4 bilhões, o que corresponde a 12 vezes o valor que é descontado dos aposentados e pensionistas.

Como se constata, a cobrança da contribuição previdenciária dos servidores aposentados e pensionistas se mostra um desconforto geral, uma pedra no sapato de todos: nunca coube no ordenamento jurídico; não atende ao caixa da previdência e sacrifica o servidor aposentado e sua família.

*Carlos Cardoso Filho, Auditor Tributário do Fisco Municipal do Ipojuca e Presidente da Federação Nacional dos Auditores e Fiscais de Tributos Municipais (FENAFIM)

abril 11, 2014

Morre Sérgio Haroldo, o pai do Zeca…

sergio-haroldo-zeca…personagem que ilustrava as tirinhas do Jornal Afresp

A classe dos agentes fiscais de rendas se despediu da companhia do colega aposentado Sérgio Haroldo Ribeiro. Aos 76 anos de idade, portador de diabetes, tinha sido hospitalizado há uma semana para tratamento na Unidade de Terapia Intensiva. O sepultamento ocorreu nesta quinta-feira (10) em São Paulo.

Ele ilustrou o cotidiano dos AFRs com charges publicadas no Jornal da Afresp, na qual o personagem Zeca representava o dia a dia dos AFR’s, estimulando a reflexão dos temas classistas. Certa ocasião, Sérgio disse:

Fazer o Zeca é uma satisfação e me proporciona a oportunidade de colaborar com a Afresp, uma entidade de classe muito representativa, a qual estimo muito

Depois de aposentar-se, Sérgio Haroldo esteve à frente da Comissão Municipal de Defesa do Consumidor de Atibaia (PROCON), fez programa de rádio, escreveu colunas em jornais e revistas. Atualmente era colunista do jornal O Atibaiense, há mais de uma década. Em geral, seus textos eram direcionados à defesa de direitos do consumidor.

Sérgio Haroldo deixa a esposa, senhora Mafalda Ribeiro e os filhos Lucila e Ricardo.

Leia matéria especial:
Zeca, o fiscal”: conheça a história de seu criador

 

zeca-fiscal

Leia também:

Homenagem ao saudoso Sr. Dito

Confirmado: AFR morre após assalto em SP

Homenagem ao saudoso colega DEME

abril 10, 2014

O Fisco violado e a cidadania ameaçada

A verdade incomoda

Conta a lenda que o conquistador Gengis Khan, conhecido e temido por sua crueldade nos combates, mandava matar os mensageiros quando estes traziam más notícias. Guardadas as proporções, essa reação de inconformismo com a verdade ainda motiva nos dias de hoje ações de represália e violência contra quem ousa informar a verdade. Veja-se o que ocorreu, em 2012, com a estudante catarinense Isadora Faber, de 13 anos, que resolveu criar uma página no Facebook para relatar o dia a dia de sua escola. Desde então, ela já foi repreendida pela direção, foi processada por uma professora, teve que prestar depoimento em delegacias, teve seu trabalho indevidamente utilizado por um candidato na recente campanha eleitoral e teve sua casa apedrejada e foi ameaçada de agressão por ter denunciado uma irregularidade na prestação de um serviço para a escola.

R$ 1 bilhão vale menos que R$ 18 mil

Quem conhece o técnico João Ribeiro, lotado na Delegacia Regional Tributária de Marília, garante: é um servidor público exemplar. Além de competente, possui comportamento irrepreensível. Ele tem 54 anos, 25 dos quais na área de arrecadação tributária da Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda de São Paulo (Sefaz-SP).

Em 24 de janeiro de 2003, indignado com o que ouvia e se comentava no órgão sobre várias irregularidades, João fez uma denúncia anônima ao Ministério Público Estadual de São Paulo (MPE-SP) [...] Continue lendo

abril 9, 2014

Reforma Tributária Urgente

4ª Parte — Evasão Legal e Travestida de Legal

valenteAntônio Sérgio Valente

As evasões legal e travestida de legal não são propriamente novidades no mundo econômico, mas a sua maior expansão se deu, sem dúvida, na última década. De certo modo representam uma resposta aos cruzamentos eletrônicos de dados, à maior complexidade de alguns tributos, à elevação do nível de escorcha, e à incontinência maquiavélico-criativa de alguns governantes. Estes fatores induziram os contribuintes a buscar alternativas de evasão. E o fizeram vislumbrando brechas sugeridas pelo próprio adversário, em sua ânsia de tributar.

Evasão Legal

O contribuinte não precisa escavar a brecha da evasão legal. O próprio governo a escancara, basta passar por ela e divertir-se. E não estamos cogitando de isenções ou reduções de base de cálculo, ou incentivos à pequena e média empresa, absolutamente. São operações e receitas que normalmente seriam tributadas. As brechas atendem interesses de grandes corporações, ou de pessoas físicas de altíssimo poder aquisitivo. Decorrem de efeitos legislativos colaterais, inadvertidamente criados pelo próprio governo. O resultado é que esses contribuintes não precisam correr riscos, sonegar, nada disso, basta cumprir a lei e seguir por caminhos frescos, protegidos por sombras de árvores frondosas plantadas pelo próprio governo [...] Continue lendo

abril 8, 2014

Bônus periferia para médicos paulistas

R$ 17,7 mil para pós-doutorado, 40 horas semanais e 20 anos de carreira

Nessa segunda (7), Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, sancionou lei que permite um adicional extra de 30% a médicos que trabalharem nas periferias e locais pouco cobiçados por profissionais da área. O programa também prevê um bônus de acordo com a formação do médico, mestrado, doutorado e pós-doutorado aumentam o benefício em 5%, 10% e 15%, respectivamente.

Um médico que for contratado hoje, sem ter concluído nenhuma pós-graduação, receberá, ao trabalhar na periferia, R$ 8.340, apenas R$ 1.140 a mais do que aqueles que trabalham em regiões centrais, cujo salário inicial é de R$ 7.200.

Veja a nova grade salarial e destaques da nova lei: opção pelo desconto previdenciário, pro labore e tabela de vencimentos [...] Clique aqui (requer senha)

Leia também:

A meritocracia e as estatísticas

Folha de S.Paulo cita resposta dos Técnicos Fazendários

Sindifisco não aceita Bolsa de Desempenho Fiscal e recorre ao STF

Tags:
abril 8, 2014

Justiça que Tarda

gtheodoronewmGustavo Theodoro

Acabamos por substituir o in dubio pro reo  por um inusitado in dubio pro fisco

A revisão do lançamento tributário está sujeito a um número indeterminado de juízos e instâncias. O excesso de instâncias é, em parte, responsável pelo fato de o contencioso brasileiro corresponder a 15% do PIB sendo que o contencioso americano é da ordem de 0,2% do PIB. Só o contencioso tributário paulista retém um crédito tributário da ordem de R$ 60 bilhões. Uma das razões para tamanha discrepância decorre do longo trâmite a que está sujeito o AIIM. Como consequência, não é incomum que o trânsito em julgado envolvendo matéria tributária tenha sua decisão proferida em mais de uma década.

E justiça que tarda é justiça que falha.

Como o contencioso administrativo contribui consideravelmente para o atraso da solução da controvérsia, é de se perguntar da utilidade de sua existência, visto que o ambiente jurídico sofreu considerável transformação após a Constituição de 1988 [...] Continue lendo

Tags:
abril 7, 2014

Concursos públicos: novos tempos

jfrancisconewJoão Francisco Neto

Todo mundo já ouviu alguma história sobre pessoas que não puderam fazer um concurso público para as carreiras militares porque não tinham a altura exigida; e outros tantos porque não apresentavam uma folha de antecedentes sem manchas; ou que foram reprovados porque tinham tatuagens; ou porque eram casados ou obesos; ou, ainda, porque tinham idade superior ao limite fixado, ou eram arrimo de família.

Houve, há pouco tempo, o curioso caso de um concurso para guarda municipal na cidade do Rio Janeiro em que se exigia que os candidatos tivessem um mínimo de vinte dentes naturais. Enfim, a lista de impedimentos e limitações para o acesso aos cargos públicos em geral sempre foi imensa e, como não era costume se questionar isso, aceitava-se tudo como se fosse lei. Hoje as coisas estão mudando.

De uns tempos para cá, muitos candidatos a cargos públicos não aceitam passivamente certas regras impostas pelos editais, e recorrem à Justiça. O Poder Judiciário, ao apreciar as demandas, muitas vezes tem decidido de forma contrária aos organizadores dos concursos [...] Continue lendo

Tags:
abril 6, 2014

A Nota Fiscal Paulista e o Imposto de Renda

Créditos devem ser declarados na ficha “Rendimentos Isentos e Não tributados”

Os consumidores que resgataram créditos ou ganharam prêmios no programa Nota Fiscal Paulista devem informar os valores na declaração de ajuste anual do Imposto de Renda, que precisa ser entregue ao Fisco até o dia 30 de abril. A recomendação vale, principalmente, para as quantias maiores, que impactaram a variação patrimonial do contribuinte no ano passado.

Os créditos resgatados em conta corrente ou utilizados para abatimento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) são isentos. Já os prêmios têm imposto retido na fonte, ou seja, os valores recebidos pelos consumidores já são líquidos e não sofrerão tributação extra.

Os créditos devem ser declarados na ficha “Rendimentos Isentos e Não-tributados”, enquanto os prêmios devem constar em “Rendimentos sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”. Ambos serão informados no campo “Outros” de cada ficha.

Para obter o informe de rendimentos da Nota Fiscal Paulista, o contribuinte deve acessar sua conta por meio de login e senha no site do programa. Na tela inicial, é necessário clicar em “Conta Corrente”, depois “Demonstrativo IR” e então selecionar “IR 2013/Ano Base 2012″ [...] Saiba mais

Leia também:

Receita libera download do programa IRPF 2014

Impostos na Nota Fiscal não condiz com realidade tributária

Nota Fiscal Paulista: 28% com crédito zero a consumidor

abril 5, 2014

Algozes da cidadania…

chico.barroso11

…Eles estão por toda parte

Francisco das Chagas Barroso

Infestam a sociedade, os sindicatos, a administração, os tribunais. Ávidos por poder e riqueza, sempre querem a melhor fatia.
Desvirtuados, esquecem a retidão. Ignoram o “códex” e atuam em proveito próprio e de seu grupo restrito.
Dissimulados, escondem suas prosperidades, suas fazendas, seus prédios, suas empresas rentáveis. Mas querem mais e mais.
Mafiosos, mostram suas caras cínicas, mas atuam no subterrâneo e ganham facilidades e oportunidades.
Nos tribunais, capas pretas, poderosos – rigor aos peixinhos e salvo conduto aos tubarões.

Na Fazenda, facilidades aos grandes e arrocho aos pequenos.
Na política, abandonam seus cinzéis e alinham seus canhões contra o povo.
Ignoram e são cúmplices da fome, da miséria e das almas infantes que inalam desesperanças e que vendem suas inocências nas calçadas da vida.
Homens de branco, de almas sujas – agourentos – de suas clínicas suntuosas e rentáveis, compartilham a culpa pelos corredores fétidos e lotados dos hospitais com doentes em seus últimos suspiros de indignidade.
Do alto de seus capitéis ou atrás de suas poltronas, incólumes, influentes, são piores do que o pior dos bandidos.

Evocam o nome do arquiteto do universo em vão.
Roubam vidas e ceifam esperanças.
Algozes da cidadania.
Malfazejos da sociedade.
Demônios.
VADE RETRO!!

franchaba@bol.com.br

PERFIL e ÍNDICE de ARTIGOS de FRANCISCO DAS CHAGAS BARROSO

NOTA DO EDITOR: Os textos dos articulistas não reflete necessariamente a opinião do BLOG do AFR, sendo de única e exclusiva responsabilidade de cada autor.

Tags:
abril 4, 2014

Vida de concurseiro: Livro do AFR Igor Nardelli

igor-nardelliVida de Concurseiro – Da Depressão à Euforia: E as 27 Lições do Concurseiro Vitorioso

O colega Igor Nardelli Emmerich se dispôs a compartilhar sua emocionante experiência, com linguagem direta e ligeira, transmite de forma honesta sua jornada “tenebrosa, aos trancos e barrancos” em busca do sonho: “aprovação no concurso de auditor fiscal“. Sem rodeios, retrata o dia a dia da história de “depressão e euforia”, conseguindo divertir e emocionar o leitor com as peripécias do candidato empenhado em atingir seu objetivo.

Este e-book poderá mudar a sua vida! Você pensa em começar a estudar para concursos públicos e não quer perder tempo? Já está estudando faz um tempão e não consegue ser aprovado? Está pensando em desistir? [...] sou Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo, cargo para o qual o concurso público é um dos mais difíceis e desejados do Brasil. Porém, antes da minha aprovação, fui reprovado seis vezes! Sim, cometi diversos erros, mas não permitirei que você faça o mesmo. Vou lhe ensinar a passar em qualquer concurso que você quiser!

Para ler amostra do livro (eletrônico) e conhecer a opinião de quem já leu clique aqui Para ler em seu computador ou dispositivo móvel, baixe os Aplicativos de leitura Kindle GRATUITOS

 CHARGE exclusiva inspirada no livro:concurseiro

Leia também:

Alexandre Meirelles lança livro “Como Estudar para Concursos”

ICMS – Concursos previstos para 2014

A teoria na prática é outra [causo]

O iate do senador [causo]

Tags: ,
abril 4, 2014

Retorno dos impostos: Brasil é penta no ranking dos piores

Brasil tem menor qualidade de vida dos 30 países com maior carga tributária

A conclusão consta de estudo do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação). Com 36% do Produto Interno Bruto (PIB) em impostos, era de se esperar que o Brasil tivesse serviços públicos amplos e de qualidade.

Mas, como todo brasileiro sabe, isso está longe de ser uma realidade.

O IBPT cruzou os dados (2012) de carga tributária em relação ao PIB com o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) de 30 países. Eles medem a participação do valor total dos impostos municipais, estaduais e federais na riqueza total gerada pela economia.

O top 3 continua sendo o mesmo da última edição do IRBES: Estados Unidos, Austrália e Coreia do Sul. Chama a atenção a ascensão da Bélgica, que foi do 25º para o 8º lugar. O Brasil continua na última posição, logo atrás de Itália, Dinamarca e França. O Uruguai ficou na 8ª posição e a Argentina na 24ª [...] Saiba mais


Leia também:

Brasileiro trabalha 150 dias só para pagar impostos

Quanto Custa o Brasil pra Você?

Discutindo a carga tributária brasileira

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.160 outros seguidores